Capital externo domina as aquisições em 2015

O apetite do capital estrangeiro pela aquisição de participações em companhias com sede no Brasil continuou intenso em 2015, embora tenha sido refreado nos últimos oito meses pela incerteza política, aliada à falta de definição clara quanto aos rumos da economia. Apesar dos óbvios problemas da economia brasileira, o número de participações estrangeiras em companhias nacionais no ano passado foi de 342 de 672 operações efetivamente concluídas, ou seja, 51% do total, a maior fatia constatada desde 2002, segundo recente relatório da PricewaterhouseCoopers (PwC). A aquisição do controle acionário (56%) superou as participações minoritárias (44%), ao contrário do que havia ocorrido em 2014.

O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2016 | 02h55

O levantamento nota que o total de transações anunciadas pelos meios de comunicação é maior (742), somando US$ 34,85 bilhões, 67,82% a menos que em 2014 (US$ 108,3 bilhões). As operações do ano passado incluem sete com valor acima de US$ 1 bilhão, alcançando US$ 14,4 bilhões. Já as transações até US$ 100 milhões não tiveram o seu valor exato divulgado.

O levantamento mostra que os setores preferenciais para a participação de empresas do exterior têm sido os de Tecnologia da Informação (TI) – que bateu recorde no ano passado, com 118 transações –, vindo em seguida serviços auxiliares, setor financeiro, varejo e serviços públicos. O Estado de São Paulo absorveu 56% dos investimentos e o Sudeste, 73%.

Muito se fala em invasão de investimentos chineses, mas o que se verificou, no cômputo geral de volume de transações de investidores estrangeiros divulgados em 2015, é que os EUA se mantêm disparadamente na frente, com 35% do total – em número, não considerando os valores –, vindo em seguida o Reino Unido e o Japão, ambos com 7%. A China ficou com 3%.

Estima a consultoria que a proporção de participações estrangeiras pode chegar a 55% do total de fusões e aquisições este ano, a terem continuidade a desvalorização do câmbio e as condições de mercado para as empresas instaladas no País, em razão da situação desfavorável de crédito.

Analistas internacionais observam que, apesar dos problemas macroeconômicos, o Brasil permanece atrativo para o capital estrangeiro em vista das dimensões de seu mercado potencial. O aumento do fluxo de capital externo, todavia, presume que seja restabelecido um clima de confiança para investimentos, sem mudanças bruscas de regras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.