Capitalização só recuperou valor da Petrobrás

Aporte foi suficiente apenas para recuperar o valor da empresa na bolsa, que havia caído 26% com as dúvidas sobre a capitalização

Nicola Pamplona, Kelly Lima / RIO, O Estado de S.Paulo

28 de setembro de 2010 | 00h00

Muito comemorado pelo governo, o aporte de R$ 120 bilhões na capitalização da Petrobrás foi suficiente apenas para que a companhia recuperasse a perda de valor de mercado acumulada desde o início do ano na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Com a emissão de novas ações, a estatal espera atingir R$ 362,8 bilhões, ou somente R$ 15 bilhões a mais do que valia no fim de dezembro.

Em seis meses, desde então, o valor de mercado despencou 26%, até atingir os R$ 256,6 bilhões no fim de junho, segundo dados do balanço da empresa. Foi a segunda maior queda no mercado global, atrás apenas da BP, que sofreu as consequências do vazamento de petróleo no Golfo do México. Segundo analistas, o mau desempenho dos papéis da Petrobrás pode ser atribuído às incertezas que precederam a emissão de novas ações.

"O governo conduziu o processo (de capitalização) de maneira tão politizada que o mercado respondeu, vendendo ações da companhia", comentou o consultor Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE). Uma grande baixa nesse período foi a decisão do megainvestidor George Soros, de se desfazer das ações da estatal, considerada uma de suas principais apostas.

O valor de mercado projetado pela Petrobrás após a capitalização é 20,6% inferior ao recorde atingido pela companhia, no fim de junho de 2008, de R$ 457,4 bilhões. Naquela época, porém, o mercado vivia a euforia que culminou com a crise global. O preço do petróleo, por exemplo, superou os US$ 150 por barril.

Depois de colocar R$ 74 bilhões na capitalização, o governo sai com um patrimônio inferior ao que tinha naquele período, quando a fatia de 39% nas ações (incluindo o BNDES) valia R$ 178,3 bilhões. Hoje, com 48%, tem R$ 173,7 bilhões. Na comparação com dezembro, a parcela da União na Petrobrás cresceu R$ 35 bilhões, menos da metade do aporte feito na capitalização.

Ontem, as ações da Petrobrás continuaram com forte volatilidade na Bovespa: terminaram a manhã em queda, mas se recuperaram à tarde. No fim do pregão, os papéis preferenciais subiram 0,76% e os ordinários (com direito a voto), 2,02%.

Analistas do mercado financeiro consultados pelo Estado, porém, minimizaram a desvalorização dos papéis no último ano, afirmando que o cenário é pontual e influenciado diretamente pelo processo de capitalização. Em média, o preço-alvo estimado para as ações da estatal até o fim do ano, segundo relatórios de bancos de investimento, supera os R$ 50, mesmo valor que a companhia atingiu pouco antes da crise internacional, em 2008.

Pires, do CBIE, porém, condiciona a recuperação das ações da empresa aos primeiros passos do próximo governo em relação à gestão do setor de petróleo. / COLABOROU SUELI CAMPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.