Kiko Smitas/Arquivo Pessoal
Kiko Smitas/Arquivo Pessoal

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Capitão Brasil: Luciano Hang ganha versão própria de super-herói

Presidente da Sulamericana, Kiko Smitas, fabricante dos bonecos, diz que fez uma homenagem para o empresário por ser patriota; peças são vendidas por R$ 14,99 na Havan

Felipe Siqueira, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2020 | 15h00

Com a intenção de homenagear o empresário Luciano Hang, dono da Havan, o presidente da Sulamericana, empresa de produção de brinquedos, Kiko Smitas, idealizou um boneco de super-herói com roupa em cores verde e amarela com as feições de Hang. A partir disso, conta Kiko, a Havan encomendou o produto para vendê-lo em grande escala. Lançado para o Dia das Crianças, a peça está sendo vendida por R$ 14,99. 

O Boneco Patriota, como é chamado na embalagem, vem depois de, no ano passado, Kiko ter criado a fantasia do personagem Capitão Brasil, que o dono da Havan chegou a utilizar em aparições públicas. "Desde o ano passado, acompanhando o Luciano, com atitudes de patriota, de levantar bandeira do Brasil, de ter caminhão com a bandeira, fizemos essa homenagem do Capitão Brasil, que é uma fantasia, com verde e amarelo, representando a bandeira", explica Kiko. No futuro, a Sulamericana deve ainda lançar Hang com outros figurinos, em "várias situações". 

O Capitão Brasil, segundo o idealizador, é de uma categoria chamada Hug Toys (brinquedos de abraçar, em uma tradução livre). Com isso, graças a arames que o brinquedo tem nas pernas, é possível agarrar objetos, como crachás, roupas, computadores e afins. Por enquanto, é vendido somente em lojas da Havan.

"Não é só para criança, é para adultos também. Ele tem milhões de seguidores, tem reciprocidade do público", diz Kiko. 

Mas a quantidade produzida ainda não deve atender toda a rede do empresário Luciano Hang. Kiko, da Sula, como é chamada a empresa, não confirma o valor investido pela Havan para ter os bonecos nem a quantidade que já foi produzida, mas afirmou que espera que o produto tenha "uma venda importante" e adiantou: "a ideia é levar para todas as lojas da rede." Segundo ele, o preço da peça é "de custo". 

Relação com o dono da Havan 

Kiko Smitas conta que Hang foi cliente da Sulamericana por muitos anos. Porém, em tempos recentes, estavam afastados. O que mudou esse cenário foi a fantasia do Capitão Brasil. Atualmente, ele fala que "vislumbra continuidade da parceria por meio de produtos, fornecimentos de fantasias e bonecos". 

Tudo o que sabemos sobre:
Luciano HangbrinquedoHavanKiko Smitas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.