Captação em planos de previdência recua 2,44% em janeiro

Após experimentar um forte e contínuo aporte de recursos em 2004, os planos de previdência abertos mostraram uma desaceleração no primeiro mês deste ano. Em comparação com janeiro de 2004, as empresas do setor captaram 2,44% menos, totalizando uma entrada de recursos da ordem de R$ 1,7 bilhão, segundo dado da Associação Nacional da Previdência Privada (Anapp). As reservas técnicas, que somaram R$ 62,4 bilhões, estão 35,7% acima do volume registrado no mesmo período de 2004.Em janeiro deste ano, os VGBLs (produto de previdência sem o benefício fiscal) experimentaram uma captação de R$ 770,8 milhões, uma queda de 12% em relação ao mesmo período de 2004. Já os PGBLs (produto de previdência com o benefício fiscal) receberam R$ 408,3 milhões, o que representa um recuo de 7%. Os planos tradicionais, por sua vez, obtiveram uma alta nos aportes de 25%, para R$ 479,9 milhões. Já os Fapi captaram R$ 3,5 milhões, uma queda de 26%.Dentre os tipos de planos que mais captaram, os individuais mantiveram a liderança, recebendo R$ 1,01 bilhão; ou 61% do total captado no setor. No entanto, o volume aportado nessa categoria foi 26% inferior ao apurado em janeiro de 2004. Os planos corporativos receberam R$ 591,1 milhões, uma alta de 68% sobre igual período do ano passado. A participação desses planos no volume de contribuição foi de 36%. O número de planos individuais somou 6,5 milhões, número 67% maior do que o observado em janeiro de 2004. Os corporativos totalizaram 122 mil; alta de 67%.ParticipaçãoDe acordo com os dados da Anapp, o VGBL compõe 31% das reservas totais, enquanto os PGBLs participam com 27%. Apesar de ambos serem os preferidos pelos clientes que ingressam no sistema, os planos tradicionais ainda detêm a maior fatia das provisões (41%). Os Fapi representam apenas 1% das reservas.A Bradesco Vida e Previdência continuou na liderança dentre as empresas que mais captaram em janeiro. Os recursos recebidos pela companhia foram correspondentes a 33% do total captado no setor. O restante do ranking da Anapp ficou dividido da seguinte forma: Unibanco Aig (16%), Santander (13%), Itaú Vida e Previdência (10%), Brasilprev (9%), Caixa Vida e Previdência (6%), Real Vida e Previdência (4%), HSBC (3%), Icatu (1%) e Capemi (1%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.