Captação na previdência privada soma R$ 38,7 bilhões em 2009 e bate recorde

A indústria fechou o ano com 12,2 milhões de contratos de previdência

Economia & Negócios,

10 de fevereiro de 2010 | 15h10

O mercado de previdência privada aberta teve em 2009 o seu melhor ano desde o início da série histórica do setor em 1998. No acumulado do ano, a captação dos planos bateu recorde e alcançou a marca de R$ 38,7 bilhões, com avanço de 21,79% na comparação com 2008, quando foram captados R$ 31,8 bilhões.  Os dados são da Federação Nacional de Previdência Privada e Vida (Fenaprevi), entidade que reúne 69 seguradoras e 13 entidades abertas de previdência complementar no país. 

O número de planos contratados também registrou evolução em 2009. A indústria fechou o ano com 12,2 milhões de contratos de previdência aberta no país. O número é 11 % superior  aos 11 milhões de contratos existentes ao final de 2008.

 

Em 2009, o produto Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), que se popularizou por ser indicado ao investidor que declara imposto pelo modelo simplificada, acumulou R$ 30,2 bilhões com crescimento de 28,28%. O VGBL é um seguro de vida com caráter previdenciário por possuir cobertura por sobrevivência.

 

Já o volume de contribuições do Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL) – produto de previdência adequado para quem faz a declaração completa do IR e que permite deduzir até 12% do montante a ser pago à Receita Federal – somou R$ 5,2 bilhões em 2009 e alta de 4,48%, enquanto que em 2008 o produto captou R$ 5 bilhões. A captação dos planos tradicionais, por sua vez, registrou alta de 1,75% no período com captação de R$ 3,3 bilhões. Os outros produtos de previdência (FAPI, PGRP e VGRP) captaram R$ 17,9 milhões, queda de 17,55%.

 

Segmentos

 

Os dados da Fenaprevi mostram que em 2009, os planos individuais captaram R$ 30,7 bilhões, apresentando um crescimento de 21,50% na comparação aos R$ 24,3 bilhões somados em 2008. Os planos para menores, que definitivamente se popularizaram entre os investidores interessados em acumular poupança a longo prazo para os filhos,  acumulou R$ 3,3 bilhões no período e obteve alta de 14,10%. Em 2008, os planos para menores captaram R$ 2,9 bilhões.

 

As provisões – recursos acumulados pelos titulares dos planos do sistema de previdência complementar – apresentaram saldo de R$ 176,6 bilhões e alta de 24,45% no ano em comparação ao saldo registrado no ano de 2008, quando as reservas do setor somaram R$ 141,9 bilhões. As provisões do VGBL tiveram o crescimento mais expressivo, 35,98%, passando de R$ 71 bilhões para R$ 96,5 bilhões no acumulado do ano.

 

O PGBL cresceu 22,88% em 2009 e as reservas do produto passaram de R$ 39,4 bilhões para R$ 48,4 bilhões no ano. As reservas de planos tradicionais, por sua vez, passaram de R$ 31 bilhões para R$ 31,1 bilhões no período, alta de 0,44%.

 

Com relação a participação de cada smodalidade de plano, os VGBL mantiveram a liderança no volume de depósitos no sistema de previdência complementar, com 54,65% do total, seguidos pelos PGBL, com 27,43% do volume total de provisões, enquanto os planos tradicionais contaram com 17,63% do volume total de provisões. Outros produtos – incluindo os Fapi - completam a equação, com 0,29%.

Tudo o que sabemos sobre:
previdência, VGBL, PGBL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.