Ilustração/Cury
Ilustração/Cury

Carência de terrenos pode limitar maior expansão na baixa renda

Construção de imóveis populares depende da oferta de áreas com preço e condições de lançamento no MCMV

Heraldo Vaz ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2018 | 05h00

Os imóveis populares atraem empresas que não trabalhavam com o segmento econômico. Para o diretor de negócios da Cury Construtora, Leonardo Mesquita, isso também explica o grande aumento no número de projetos destinados ao programa Minha Casa Minha Vida. A obra fica atrelada à oferta de terrenos com preço e condições para lançamento nas regras do MCMV, cujo teto é de R$ 240 mil. “A procura tende a aumentar, mas há limite de produção por conta de áreas.”

Segundo ele, talvez não consiga subir tanto no volume. A Cury cresceu cerca de 25% em 2017, registrando valor dos lançamentos de R$ 488 milhões na capital e Grande São Paulo. Foram sete empreendimentos, todos no programa MCMV.  “Lançamos em regiões mais centrais, onde o terreno tem preço mais elevado”, conta o diretor, destacando o lançamento do Dez Bom Retiro, em novembro. Tem 268 unidades, de dois dormitórios, desde R$ 182 mil. No terreno de 4,2 mil m², são duas torres de oito andares, ao lado da estação Armênia do metrô. Também cita o Dez Cerejeira, em Itaquera, com 300 unidades, de dois dormitórios e 40 m². Tem oito apartamentos por andar e uma vaga na garagem. “São regiões bem valorizadas”, declara Mesquita.

Na faixa de R$ 160 mil a R$ 210 mil, a Cury apresentou cinco projetos. Em março, lançou a segunda fase do Dez Jardim Botânico, perto da Rodovia dos Imigrantes, com preço a partir de R$ 164 mil. Em setembro, foi a vez do Meu Lar Cantareira (R$ 174 mil), terceira e última fase do projeto Meu Lar Zona Norte. Tem 300 unidades, com dois dormitórios. Serão 15 torres, próximo do Parque da Cantareira para famílias com renda a partir de R$ 2,6 mil. 

Dez Vila Ema, a partir de R$ 207 mil, próximo da estação do Oratório, na Vila Prudente, zona leste, foi lançado em julho, a 800m da futura estação Oratório monotrilho. Tem duas torres com 294 unidades. O prédio, no terreno de 4 mil m², terá 18 andares. “Em frente ao Monotrilho”, diz, ressaltando que a Cury conseguiu lançar em locais bem interessantes, onde o terreno é mais valorizado. 

Este ano, a Cury já fez dois lançamentos e tem mais dois para breve: o Dez Anhaia Mello e o Dez Parque do Carmo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.