Ilustração/Cury
Ilustração/Cury

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Carência de terrenos pode limitar maior expansão na baixa renda

Construção de imóveis populares depende da oferta de áreas com preço e condições de lançamento no MCMV

Heraldo Vaz ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2018 | 05h00

Os imóveis populares atraem empresas que não trabalhavam com o segmento econômico. Para o diretor de negócios da Cury Construtora, Leonardo Mesquita, isso também explica o grande aumento no número de projetos destinados ao programa Minha Casa Minha Vida. A obra fica atrelada à oferta de terrenos com preço e condições para lançamento nas regras do MCMV, cujo teto é de R$ 240 mil. “A procura tende a aumentar, mas há limite de produção por conta de áreas.”

Segundo ele, talvez não consiga subir tanto no volume. A Cury cresceu cerca de 25% em 2017, registrando valor dos lançamentos de R$ 488 milhões na capital e Grande São Paulo. Foram sete empreendimentos, todos no programa MCMV.  “Lançamos em regiões mais centrais, onde o terreno tem preço mais elevado”, conta o diretor, destacando o lançamento do Dez Bom Retiro, em novembro. Tem 268 unidades, de dois dormitórios, desde R$ 182 mil. No terreno de 4,2 mil m², são duas torres de oito andares, ao lado da estação Armênia do metrô. Também cita o Dez Cerejeira, em Itaquera, com 300 unidades, de dois dormitórios e 40 m². Tem oito apartamentos por andar e uma vaga na garagem. “São regiões bem valorizadas”, declara Mesquita.

Na faixa de R$ 160 mil a R$ 210 mil, a Cury apresentou cinco projetos. Em março, lançou a segunda fase do Dez Jardim Botânico, perto da Rodovia dos Imigrantes, com preço a partir de R$ 164 mil. Em setembro, foi a vez do Meu Lar Cantareira (R$ 174 mil), terceira e última fase do projeto Meu Lar Zona Norte. Tem 300 unidades, com dois dormitórios. Serão 15 torres, próximo do Parque da Cantareira para famílias com renda a partir de R$ 2,6 mil. 

Dez Vila Ema, a partir de R$ 207 mil, próximo da estação do Oratório, na Vila Prudente, zona leste, foi lançado em julho, a 800m da futura estação Oratório monotrilho. Tem duas torres com 294 unidades. O prédio, no terreno de 4 mil m², terá 18 andares. “Em frente ao Monotrilho”, diz, ressaltando que a Cury conseguiu lançar em locais bem interessantes, onde o terreno é mais valorizado. 

Este ano, a Cury já fez dois lançamentos e tem mais dois para breve: o Dez Anhaia Mello e o Dez Parque do Carmo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.