Carga fiscal sobre emprego avança em 19 países em 2012, diz OCDE

Para reduzir seus déficits fiscais, governos elevaram o imposto de renda e as contribuições previdenciárias

Sergio Caldas, da Agência Estado,

26 de março de 2013 | 15h29

LONDRES - Os governos de economias desenvolvidas aumentaram o imposto de renda e contribuições previdenciárias pagos por empregadores no ano passado numa tentativa de reduzir seus déficits fiscais, segundo pesquisa divulgada hoje pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Dados preliminares da OCDE mostram que a carga fiscal sobre o emprego subiu em 19 dos 34 países-membros da entidade em 2012, caíram em 14 e ficaram inalterados em apenas um deles.

Em média, a carga fiscal avançou no ano passado para 35,6% do custo de se empregar uma pessoa sem filhos e com salário mediano, de 35,5% em 2011. Na década até 2010, essa carga vinha caindo de forma constante.

Segundo a OCDE, a alta em 2012 foi causada principalmente pelo aumento na contribuição previdenciárias de empregadores. No ano anterior, o imposto de renda tinha sido o maior responsável pela elevação da carga fiscal.

A OCDE, no entanto, disse que o imposto de renda também pesou no ano passado, avançando em 13 de 19 países que registraram uma carga fiscal maior.

A entidade, com sede em Paris, argumenta que a taxação sobre o emprego é prejudicial para o crescimento e que governos que precisam de receita extra deveriam se concentrar na eliminação de incentivos fiscais. As informações são da Dow Jones.

 

Mais conteúdo sobre:
gmsão josédemissões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.