Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Carga tributária sobe em 2006 para 34,23% do PIB

A carga tributária brasileira subiu em2006 para 34,23 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), ante33,38 por cento no ano anterior, informou nesta terça-feira aReceita Federal do Brasil. A carga federal passou de 23,25 por cento para 23,75 porcento do PIB no ano passado. A carga estadual foi de 8,74 porcento para 9,02 por cento, enquanto a municipal subiu de 1,39por cento para 1,46 por cento do PIB. Ronaldo Medina, coordenador-geral de política tributária daReceita, salientou que, apesar de a carga tributária teraumentado nos três níveis, não houve aumento de nenhumaalíquota nem criação de novos impostos. Dos 32 impostos contabilizados, 18 contribuírampositivamente, 10 ficaram estáveis ou perto de zero e quatrotiveram menor arrecadação em 2006 frente ao ano anterior. Segundo a Receita, duas das maiores variações vieram porcausa do aumento da massa salarial: contribuições com o INSS eFundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O principal peso negativo, disse a Receita, veio daContribuição para o Financiamento da Seguridade Social(Cofins). A Receita também informou nesta terça-feira que aarrecadação tributária em julho foi de 50,402 bilhões de reais. A arrecadação de julho é 12,16 por cento superior aos44,936 bilhões de reais recolhidos em igual período do anopassado, segundo dados corrigidos pelo Índice Nacional dePreços ao Consumidor Amplo (IPCA). No ano, a arrecadação acumula 335,606 bilhões de reais, umcrescimento de 10,34 por cento ante os 304,157 bilhões de reaisno mesmo período de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.