Estadão
Estadão

Cargill anuncia recall das marcas Elefante e Pomarola

Após determinação da Anvisa, lotes de extrato de tomate deverão ser recolhidos e trocados pela empresa

Renê Moreira, especial para O Estado, O Estado de S.Paulo

26 de agosto de 2016 | 22h23

RIBEIRÃO PRETO - Lotes das marcas de extrato de tomate Elefante e Pomarola deverão ser trocados por consumidores que as adquiriram por causa de problemas com os produtos, anunciou a Cargill Agrícola, proprietária das marcas.

A Cargill não informou o que há de errado com os produtos, mas o Estado apurou que o problema seria o excesso de pelos de roedores em sua composição. A companhia recomendou que os clientes que tenham esses produtos em casa busquem seu Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC) para providenciar a substituição. O número é 0800 648 0808.

De acordo com a Cargill, deve ser trocado o lote L011810 do extrato de tomate Elefante, embalado em lata de 340 gramas e com data de validade de 7/10/16. Também precisa ser trocado o lote L032502 desta mesma marca, mas na embalagem sachê de 190 gramas e com vencimento em 18/8/17. No caso da Pomarola, deve ser retirado do mercado o lote L030903, embalagem do tipo sachê líquido de 340 gramas, com validade até 31/8/17.

Direitos. O Procon-SP informou que os consumidores podem exigir da empresa os esclarecimentos que se fizerem necessários, inclusive, sobre os eventuais riscos à saúde. O excesso de pelos de ratos nos produtos foi detectado pela Vigilância Sanitária de Santa Catarina. O recolhimento dos lotes das duas marcas foi determinado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O recolhimento das mercadorias tem base o Código de Defesa do Consumidor (CDC), que determina que as fabricantes devem comunicar imediatamente autoridades e clientes problemas em seus produtos.

Em nota, a Cargill diz que os produtos “não oferecem quaisquer riscos à saúde” e afirma cumprir “todas as normas de segurança e padrões de higiene”.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.