Cargill entra em biodiesel no Brasil com usina no MS

Investimento será de R$ 130 milhões em unidade com capacidade de produção de 200 mil toneladas

Reuters,

22 de outubro de 2010 | 14h12

A Cargill construirá a sua primeira usina de biodiesel no Brasil no município de Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul, onde investirá cerca de R$ 130 milhões em uma unidade com capacidade para a produção de 200 mil toneladas do biocombustível, segundo nota da empresa divulgada nesta sexta-feira.

"(...) A nova fábrica funcionará anexa à atual unidade de esmagamento de soja da Cargill (em Três Lagoas) e terá capacidade anual de produção de 200 mil toneladas de biodiesel", afirmou a companhia, sem dar mais detalhes em comunicado.

A unidade deve começar a operar em 2012. A exemplo do que deverá ocorrer com a Cargill, outras companhias do setor no país utilizam a soja como a principal matéria-prima para a produção de biodiesel - cerca de 85% da produção do biocombustível no país é feita com a oleaginosa.

Em 2010, o Brasil passou a adotar o B5, uma mistura de diesel com 5% de biodiesel que demanda quase 2 milhões de toneladas de óleo de soja por ano.

A Cargil comercializa e processa soja e outros grãos e oleaginosas, e é uma das maiores exportadoras e processadoras da commodity do país.

Em 2009, quando a empresa inaugurou a sua sexta unidade processadora de soja no Brasil, em Primavera do Leste (MT), o Complexo Soja da empresa comercializou 9,1 milhões de toneladas do grão no país, contra 7,15 milhões de toneladas em 2008.

No ano passado, incluindo todos segmentos, a Cargill teve receita líquida de R$ 15,8 bilhões no Brasil, registrando um lucro após impostos) de R$ 325 milhões. As exportações da companhia alcançaram R$ 11,6 bilhões em 2009.

O investimento da companhia no Brasil segue anúncio de recursos para uma unidade de biodiesel na Argentina. Em agosto, a empresa informou o início das obras de uma usina que deverá operar a partir de 2011 no país vizinho.

Em julho, o governo argentino determinou o aumento do volume de biodiesel à base de soja na mistura de combustíveis, de 5% para 7%. (Por Roberto Samora)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.