Carl Icahn aumenta oferta para evitar a venda da Dell

Investidor acrescentou uma garantia de compra de ações adicionais aos acionistas, caso aceitem sua proposta

NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2013 | 02h08

O bilionário investidor Carl Icahn esta oferecendo a acionistas uma chance de obter uma grande fatia na Dell, procurando forçar Michael Dell a aumentar sua oferta de compra de US$ 24,4 bilhões pela fabricante de computadores pessoais.

Icahn, que possui 8,7% da Dell, acrescentou uma garantia a sua oferta de US$ 14 por ação que os acionistas poderão trocar por ações adicionais. A oferta foi feita em uma carta enviada ontem pelo investidor. O valor para os acionistas ficaria próximo de US$ 15,50 a US$ 18 por ação, segundo a carta.

A recente iniciativa de Icahn é sua quarta tentativa de obstruir a oferta de compra de US$ 13,65 por ação do diretor presidente da Dell e da Silver Lake Management. A proposta ganhou endosso esta semana antes de uma votação de acionistas em 18 de julho. Michael Dell está tentando fechar o capital da companhia que ele fundou em 1984 para transformá-la numa empresa focada em tablets e computação na nuvem.

Icahn acredita que a Dell ainda pode competir no mercado de PCs como uma empresa pública. Sua proposta continua sendo arriscada porque o benefício depende de as ações subirem para US$ 20, e não há nenhuma garantia de que isso ocorrerá, segundo Jeff Fidacaro, analista da Monness Crespi Hardt & Co. "Este negócio não é um gol feito", disse Fidacaro.

A oferta de Dell e da Silver Lake representa um adicional de 25% sobre o preço de fechamento da ação da fabricante, de US$ 10,88, em 11 de janeiro, o último dia de transações em Bolsa antes de surgir a notícia da oferta.

As garantias agem como opções de ações e são comuns em compras de controle acionário como uma maneira de aumentar o valor. Icahn ofereceu uma garantia transferível para cada quatro ações compradas na oferta de recompra. A garantia permitiria que os investidores comprassem ações da Dell por US$ 20 durante sete anos.

A empresa de consultoria Institutional Shareholder Services (ISS) recomendou que os acionistas da Dell votem pela compra por US$ 24,4 bilhões. A Glass, Lewis & Co, outra consultoria de acionistas, também apoiou a proposta do fundador da empresa, defendida também pelo comitê especial do conselho de administração da Dell.

"A ISS prestou um grande desserviço aos acionistas ao fazer uma recomendação focada na crítica de que os acionistas não podem colher imediatamente os benefícios da oferta", disse Icahn na carta. "Continuamos a ver a nossa proposta, particularmente com a garantia, como economicamente melhor para os acionistas."

No começo da semana, Icahn disse que se preparava para exercer direitos de avaliação independente que estão disponíveis a acionistas de companhias incorporadas em Delaware e instou outros acionistas a fazerem o mesmo. Ao exercerem esse direito, os investidores podem buscar um preço mais alto por suas ações nos tribunais.

Em março, Icahn ofereceu US$ 15 por ação em dinheiro por até 58,1% das ações. Depois, em maio, ele se associou à Southeastern Asset Management para oferecer a investidores US$ 12 por ação em dinheiro ou ações adicionais da Dell deixando-os reter ações numa companhia pública. No mês passado, ele se ofereceu para ajudar a financiar a última proposta de recompra de US$ 14 por ação. / TRADUÇÃO DE CELSO PACIORNIK

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.