Manjunath Kiran/ AFP
Manjunath Kiran/ AFP

Carlos Ghosn é acusado pela quarta vez por promotores japoneses

Com a nova denúncia, brasileiro deve permanecer na cadeia; prisão preventiva do ex-presidente da Nissan expiraria nesta segunda, 22

AP, EFE e AFP, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2019 | 02h54

Promotores japoneses apresentaram nesta segunda, 22, a quarta acusação formal contra o ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn. Desta vez, a denúncia trata de supostos pagamentos feitos por uma subsidiária da Nissan a uma empresa privada de investimento que seria controlada por Ghosn e com sede em Omã. Estima-se que o prejuízo causado a  Nissan chega a US$ 5 milhões

A nova acusação foi apresentada no mesmo dia em que em que a prisão preventiva de Ghosn expira. O brasileiro está encarcerado desde o último dia 4. As acusações não foram confirmadas imediatamente pelos promotores, mas há a expectativa de que Ghosn permaneça preso. 

Ghosn foi preso pela primeira vez em novembro de 2018, após um tribunal em Tóquio acatar denúncias de supostos crimes financeiros contra a montadora japonesa.

No início de março, ele foi solto sob fiança e permaneceu em Tóquio à espera de julgamento. Quase um mês depois, um novo pedido de prisão apresentado pelos procuradores do caso levaram Ghosn de volta à cadeia.

Ghosn nega todas as acusações e se declara inocente.

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos GhosnNissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.