Regis Duvignau/Reuters
Regis Duvignau/Reuters

Carlos Ghosn é destituído da diretoria da Nissan

Empresário Jean-Dominique Senard substituirá brasileiro acusado de desfalque financeiro

EFE e AFP, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2019 | 01h46

Tóquio - Em uma reunião extraordinária realizada neste segunda, 8, o ex-presidente da empresa Carlos Ghosn foi destituído da diretoria da Nissan pelos acionistas da gigante japonesa. Quem entra em seu lugar é o empresário Jean-Dominique Senard

 Greg Kelly, ex-diretor próximo a Ghosn e peça-chave na realização das irregularidades financeiras que lhe custaram o posto, também foi destituído.

A reunião começou por volta das 10h do horário local (22h de domingo em Brasília) em um hotel de Tóquio, onde o atual diretor-máximo da empresa, Hiroto Saikawa, pediu desculpas pelo caso, que afetou a reputação do fabricante. Saikawa assumiu a liderança da Nissan após a detenção de Ghosn, em novembro de 2018.

Durante deliberações com os acionistas, Saikawa disse que Ghosn "merece ser retirado do seu posto (como membro do conselho administrativo) porque atuou contra os interesses da empresa".

"A reunião extraordinária de acionistas marca um novo começo para a Nissan, à qual temos a responsabilidade de levar de volta ao caminho do crescimento", disse o CEO do fabricante.

Alguns dos acionistas levantaram dúvidas sobre o papel dos demais membros do conselho administrativo e sobre o próprio Saikawa na comissão das irregularidades, considerando durante as deliberações que deveriam ser todos substituídos.

Saikawa não negou sua responsabilidade passada, mas disse que tem o dever "de minimizar a incerteza na empresa e o efeito na Aliança" Nissan, Renault e Mitsubishi Motors, e que pensará em uma potencial saída quando "a estabilidade" for recuperada. 

Mais conteúdo sobre:
Carlos GhosnNissan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.