Agência Câmara
Agência Câmara

Marun prevê 'bela vitória' na reforma da Previdência

Novo Secretário de Governo disse que sistema previdenciário atualmente funciona como um 'Robin Hood ao contrário'

Fernando Nakagawa, enviado especial, O Estado de S.Paulo

10 Dezembro 2017 | 21h31

Buenos Aires – Recém-escolhido novo Secretário de Governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), prevê uma “bela vitória” dos governistas na tramitação da reforma da Previdência na Câmara. O parlamentar prevê que os argumentos garantirão a vitória para o governo que quer mudar o sistema previdenciário que atualmente funcionaria como um “Robin Hood ao contrário” porque tira dos pobres e distribui o dinheiro aos ricos.

“Confio que até dia 18 vamos ter os votos necessários para que seja colocado em discussão e que venhamos colher uma bela vitória”, disse o deputado durante a sessão inaugural da reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC) na capital argentina. Marun e alguns outros parlamentares vieram junto com Temer no avião presidencial.

O deputado indicou que o governo aposta fichas no debate racional sobre a Previdência. “Eu penso que essa discussão vai ser relevadora. Ali vão ter que ser colocados os argumentos”, disse. “O Brasil não pode continuar suportando esse sistema previdenciário que é um sistema de distribuição de renda às avessas. Tira dos mais humildes e distribui entre os mais aquinhoados”, disse, ao citar o personagem conhecido por pegar dos ricos para dar aos pobres. Curiosamente, a mesma comparação foi feita recentemente por Guilherme Boulos, principal líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MTST).

Questionado sobre eventual estratégia nos bastidores que teria distribuição de cargos e liberação de emendas, Marun negou. “Ate hoje, não vi nenhum deputado que critica (as emendas) recusá-las. Isso não existe. É uma demagogia muito grande”, disse, ao comentar que o Orçamento já prevê pagamento das emendas e é impositivo.

Sobre a distribuição de cargos, Marun comentou que “não tem conhecimento”. “A última vez que houve movimentação de cargos, e mesmo assim muito pequena, talvez foi quando alguns colegas que votaram contra a denúncia (contra Michel Temer) abriram mão de cargos”, disse o escolhido para o ocupar a secretaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.