Carnaval: recomendações ao comprar preservativos

Com o objetivo de garantir a saúde e segurança do consumidor, em especial nessa época de Carnaval, a Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, traz algumas orientações para a compra e utilização de camisinhas/preservativos. Precauções simples podem evitar problemas graves.O uso do preservativo durante a relação sexual é a melhor e a mais segura forma de prevenção contra doenças sexualmente transmissíveis, como a AIDS, além de prevenir a gravidez. Na hora da compra, o consumidor deve certificar-se de que o produto contenha a identificação completa do fabricante ou do importador. As informações sobre o número do lote e a data de validade também precisam estar claras.É muito importante que o consumidor verifique se a embalagem do preservativo traz o símbolo de certificação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (INMETRO), cuja finalidade é comprovar a qualidade do produto. O Procon-SP lembra que a nota fiscal deve ser sempre exigida. Em caso de problemas, a nota ou o cupom do ponto de venda asseguram o direito de poder reclamar.Se o preservativo for retirado gratuitamente em campanhas, o consumidor deve conhecer o nome da instituição responsável pela doação. O cuidado é necessário para que se saiba a procedência do material, quais são as garantias oferecidas e, em caso de dúvidas, pedir esclarecimentos.SegurançaPor ser confeccionado em látex de borracha, o calor e a umidade deformam o preservativo, tornando-o impróprio para uso. Por isso, é melhor não comprar em camelôs, ambulantes, ou outros locais onde o produto fique exposto a condições desfavoráveis de tempo, como chuva ou sol.Para garantir o uso correto da camisinha e evitar riscos, o consumidor deve ler atentamente as instruções contidas na bula, geralmente impressas na própria embalagem, ou em outro material informativo. Não se deve utilizar preservativos que estejam muito tempo guardados em locais abafados, como bolsos de calça, carteiras ou porta- luvas de carro, pois ficam mais sujeitos ao rompimento. Deve-se evitar, igualmente, o uso de preservativos sobrepostos, pois também podem se romper com o atrito ou até mesmo se soltar/enrolar.Nos "Sex Shops" são encontradas diversas variações do produto original, com aromas, cores, formatos anatômicos, texturizados, etc. Porém, seja qual for o modelo, os preservativos jamais devem ficar de lado. O sexo seguro depende tanto do homem quanto da mulher, que devem exigir a sua utilização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.