Estadão
Estadão

Carne Angus terá selo de rastreabilidade

Procedência genética do animal só poderá ser estampada após controle da CNA e fiscalização do Ministério da Agricultura

Victor Martins, O Estado de S. Paulo

15 Maio 2015 | 11h21

BRASÍLIA - A carne Angus no Brasil terá sua origem rastreada a partir de agora. A procedência genética do animal só poderá ser estampada nas embalagens após passar por um procedimento de controle conduzido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e depois de fiscalizado pelo Ministério da Agricultura. Para o consumidor, essa medida pode significar preço maior, o selo, porém, pretende transmitir confiança de qualidade ao produto.

Essa decisão passou a valer depois de uma circular do ministério e da assinatura de um protocolo entre a Associação Brasileira de Angus (ABA) e a CNA. As entidades envolvidas acreditam que o controle atenderá mercados mais exigentes, diferenciará produtos por qualidade e preço nas prateleiras, dará mais qualidade à carne brasileira e trará segurança e transparência na identificação de rótulos e alimentos.

"Isso nos possibilita mais que ampliar exportação, dá caráter de credibilidade no mercado", avaliou José Roberto Pires Weber, presidente da ABA. A adesão ao Protocolo Angus, que dará certificação à carne do rebanho que seguir as especificações determinadas, não exigirá pagamento de tarifas ou taxas.

Na avaliação dele, isso contribuirá para que a carne brasileira seja vendida no mercado internacional por um preço superior. "Nossa carne, em qualidade, não fica devendo nada a nenhuma outra", afirmou.

José Martins da Silva, presidente da CNA, celebrou a assinatura do protocolo e afirmou que o rebanho brasileiro vem melhorando, mas pode avançar mais. "Nossa carne deixa muito a desejar. Estamos assinando esse protocolo de modo que possamos levar aos mercados mais exigentes uma carne de qualidade", disse.

Cadastramento. A partir de 1º de junho começa o cadastramento de produtores no programa. Com isso, o rebanho deve ser colocado na Plataforma de Gestão Agropecuária (PGA), um sistema do Ministério da Agricultura, e terá de cumprir exigências.

Décio Coutinho, secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura afirmou que esse processo de rotulagem estava conturbado e agora ficou claro.

"Quem for colocar essa marca, tem de fazer conforme determina o protocolo e a legislação", explicou o secretário.

Mais conteúdo sobre:
Agronegócioalimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.