Carne de frango interditada não traz risco a consumidor

Frigoríficos que adicionaram água ao frango in natura em quantidade acima do permitido só poderão voltar a vender seus lotes depois de apresentarem ao Ministério da Agricultura um programa para corrigir as falhas no processo de produção, informou hoje o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Inácio Kroetz.Desde quarta-feira, seis empresas estão proibidas de vender frango in natura congelado porque inspeções do ministério constaram presença de água acima do limite de 6% definido em lei. O secretário explicou que o processo de produção não foi interrompido, mas os lotes deverão ser estocados nos frigoríficos até que o governo determine o fim da suspensão, o que dependerá da avaliação do programa que será apresentado pelas empresas.A adição de água ao frango é crime contra o consumidor, que compra um produto com peso inferior ao informado nas embalagens. O consumo do frango com água não representa risco para a saúde humana. Por isso, explicou o secretário, os lotes em que foi detectada a fraude puderam ser reaproveitados pelas empresas. O destino das cargas depende do que está estabelecido no Programa de Prevenção e Controle de Adição de Água aos Produtos. O programa é elaborado pelas empresas, mas o ministério precisa aprová-lo. Entre os destinos dos lotes que estão fora dos padrões estão o reaproveitamento no refeitório das empresas, industrialização (processo que elimina a água excedente) e a doação para programas sociais.O secretário enfatizou que as empresas que foram punidas com a suspensão do comércio e com multas de até R$ 25 mil por infração são reincidentes. As regras do programa valem desde o ano de 2000. "Não foi um único caso, nem um único lote. Ninguém é marinheiro de primeira viagem", disse. Empresas do Rio Grande do Sul, São Paulo, Santa Catarina, Mato Grosso, Minas Gerais e Paraná foram interditadas.As seis empresas que estão impedidas de vender o produto são as seguintes: Eleva Alimentos, Rei Frango Abatedouro, Wiper Industrial de Alimentos, Anhambi Alimentos Oeste, Recanto do Sabiá Alimentos e Avenorte Avícola Cianorte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.