Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Carnes de frigoríficos investigados na Operação Carne Fraca passam no primeiro teste

Secretaria de Saúde do Paraná divulgou resultado satisfatório para análise de produtos investigados; foram encaminhadas mais 10 novas amostras para testes

O Estado de S.Paulo

31 de março de 2017 | 13h44

SÃO PAULO - A Secretaria de Saúde do Paraná divulgou nesta sexta-feira, 31, que a primeira análise das amostras de carnes e embutidos das marcas Seara (JBS), Friboi (JBS), Novilho Nobre, Sadia (BRF), Perdigão (BRF) e Italli (Peccin) estão regulares. Os laudos feitas pelo Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen-PR) serão enviados ao Ministério da Agricultura e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para auxiliar nas investigações da Operação Carne Fraca.

Foram analisados os aspectos físico-químicos dos alimentos, levando em consideração a legislação para cada tipo de produto. A análise envolveu a pesquisa de nitrito e sulfito (utilizados como conservante), e determinação de PH (pode indicar contaminação pela toxina botulínica). Os resultados foram satisfatórios para os 10 alimentos analisados.

Os produtos também passaram pela avaliação microbiológica (clostrídios, estafilococos, coliformes fecais e salmonela).

As amostras eram de carnes resfriadas, carne bovina salgada curada, linguiça tipo calabresa, linguiça mista, mortadela de frango, presunto, salame e salsicha, todos de empresas investigadas pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal.

A coleta do primeiro lote de amostras foi feitas entre segunda e terça-feira (20 e 21) pela vigilância sanitária do município de Curitiba. 

Nesta semana, a Vigilância Sanitária municipal encaminhou 10 novas amostras ao Lacen-PR. Os novos produtos passarão pelos mesmos testes. O monitoramento deve ser mantido pelos próximos dois meses com coletas em outros municípios do Paraná. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.