Amanda Perobelli/Estadão
Amanda Perobelli/Estadão

Carrefour deve adotar estilo mais agressivo

Após comprar fatia da operação brasileira em dezembro, Abilio já nomeouexecutivos e iniciou grupo de trabalho para melhorar performance de lojas

FERNANDO SCHELLER , MÔNICA SCARAMUZZO, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2015 | 02h06

O "toque" de Abilio Diniz já está presente no dia a dia do Carrefour Brasil. Depois de se tornar dono de 10% da operação local em dezembro, o empresário indicou dois executivos para reforçar a equipe da companhia. Ao entrar na sociedade, Abilio Diniz criou um grupo de trabalho que tem a meta de tornar a operação mais agressiva. A ordem é melhorar a performance de cada loja, com base em pesquisas com consumidores que miram todo o tipo de insatisfação: com o atendimento, com a espera na fila dos caixas e com o sortimento de mercadorias.

Segundo apurou o Estado, a ordem é que esse grupo apresente resultados rapidamente. A ideia é que o Carrefour Brasil já comece a ampliar sua participação de mercado no País a partir do segundo semestre, dando continuidade ao processo de expansão de vendas apresentado ao longo de 2014.

A entrada de Abilio Diniz no Carrefour foi estratégica para o grupo francês, segundo fontes ouvidas pelo Estado. "Foram dois benefícios diretos: de caixa, que foi direto para os acionistas franceses (com a entrada de R$ 1,8 bilhão pelos 10% de participação), e a entrada de um acionista de referência no mercado brasileiro, o que deve alavancar uma operação de abertura de capital (IPO, na sigla em inglês)", disse uma fonte. "O Carrefour está em processo de modernização e tem intenção de lançar ações no mercado brasileiro", disse a fonte. Procurados, Carrefour e Abilio Diniz não comentam o assunto.

A entrada de Abilio no Carrefour ocorreu no início do ano passado, quando o empresário adquiriu cerca de 3% das operações globais da rede francesa em Bolsa. Em dezembro passado, o empresário adquiriu 10% de participação da subsidiária brasileira. Essa fatia poderá ser elevada para 12% nos próximos meses e atingir 16% antes de o Carrefour fazer abertura de capital no País, afirmam fontes.

Embora o empresário não participe diretamente da gestão da varejista, ele e o executivo Eduardo Rossi, da Península, braço de investimento da família Diniz, passaram a ocupar assento no conselho da companhia brasileira. Os executivos Antonio Ramatis, ex-Via Varejo, e Sylvia Leão, ex-Grupo Pão de Açúcar e BRF, foram contratados no mês passado pelo Carrefour e assumiram as áreas comercial e de marketing, respectivamente.

"O Carrefour já estava numa trajetória ascendente no Brasil", afirma o especialista em varejo Alberto Serrentino, da consultoria Varese. "E isso ainda sem o reflexo dessa mudança de gestão. Abilio e os novos executivos devem trazer mais agressividade ao negócio."

Concorrência. O Carrefour, porém, não está se mexendo sozinho. O Pão de Açúcar, seu principal rival, tem ambiciosos planos de expansão em 2015. A empresa também está reformulando o conceito de hipermercados, apurou o Estado, e deverá manter seus planos de expansão de aberturas de novas lojas este ano. No ano passado, a principal aposta do Casino foi nos minimercados de bairro. Só na França, o controlador do Pão de Açúcar opera 12 mil lojas do tipo. De janeiro a setembro do ano passado, o grupo abriu 96 lojas de proximidade no País, com a bandeira de baixo custo Extra. Mais recentemente, iniciou a expansão do modelo em bairros de classe alta, com o Minuto Pão de Açúcar.

Para melhorar sua presença regional, o grupo deverá concentrar a abertura de lojas nas Regiões Nordeste e Centro-Oeste do País. Em momento de desaceleração, a empresa pretende manter seu perfil agressivo para proteger mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.