Carrefour pode deixar mercados emergentes, mas não Brasil, diz CEO

Em entrevista a jornal francês, ele confirma possível saída de mercados com potencial de expansão limitado

Danielle Chaves, da Agência Estado,

15 Janeiro 2010 | 13h44

PARIS - A varejista francesa Carrefour pode deixar os mercados emergentes que têm potencial limitado ou aqueles em que a companhia não é capaz de atingir uma posição de liderança, mas não sairá do Brasil ou da China. A afirmação foi feita pelo executivo-chefe da empresa, Lars Olofsson, em uma entrevista publicada pelo jornal francês Le Figaro.

 

A corretora Nomura observou que as vendas do Carrefour permanecem fracas, apesar de a companhia ter fechado negócios com desempenho abaixo da média na Rússia e no Sul da Itália. Ontem a varejista informou que suas vendas globais cresceram 1% no quarto trimestre de 2009.

 

As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.