Carrefour tem lucro operacional maior no 1o semestre

O Carrefour, maior grupo varejista europeu, afirmou que as vendas de verão na Europa foram mistas, mas que a demanda segue forte em mercados emergentes, confirmando que espera atingir lucro operacional maior este ano.

REUTERS

31 de agosto de 2010 | 11h39

Alto controle de custos e aquecimento nos mercados emergentes elevaram o lucro operacional do Carrefour no primeiro semestre em 7,6 por cento, em linha com a meta divulgada em julho, quando o grupo colocava em prática seu plano de reformular os hipermercados na Europa para impulsionar as vendas em queda.

O vice-presidente financeiro do Carrefour, Pierre Bouchut, disse em teleconferência que as vendas foram "satisfatórias" na Europa em julho mas "decepcionaram levemente" em agosto, quando a demanda foi sustentada pelos mercados emergentes.

Os comentários cautelosos, juntamente com a notícia de um encargo inesperado de 69 milhões de euros no Brasil, onde o Carrefour também enfrenta fracas vendas dos hipermercados, pressionavam as ações da empresa. Às 11h41 (horário de Brasília), os papéis da empresa perdiam 1,22 por cento na Bolsa de Paris, a 35,67 euros.

O Carrefour, que também ocupa o posto de segundo grupo varejista no mundo atrás do norte-americano Wal-Mart, confirmou que espera registrar lucro operacional de cerca de 3,1 bilhões de euros (3,9 bilhões de dólares) este ano, tendo atingido 1,1 bilhão de euros no primeiro semestre.

O grupo francês, presente em 35 países, contabilizou redução de custos de 236 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, quase metade dos 500 milhões de euros previstos para 2010.

Bouchut disse que o Carrefour irá acelerar a expansão em mercados como Brasil, Indonésia, Turquia e China no segundo semestre.

Ele repetiu que o grupo planeja deixar os países onde não está entre os líderes de mercado, enquanto busca crescer naqueles onde é ou pode ser líder.

(Por Dominique Vidalon)

Tudo o que sabemos sobre:
VAREJOCARREFOURRESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.