Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Carrefour terá mais três projetos na área imobiliária em 2016

Apesar da crise no varejo, grupo lança esta semana o shopping que terá a 1ª flagship do hipermercado no País

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2015 | 02h03

No início do ano que vem, o Carrefour Property, divisão imobiliária do grupo, vai anunciar mais três grandes projetos em São Paulo e Minas Gerais no segmentos de shopping centers, galerias comerciais e outro formato do setor imobiliário que a empresa não revela. O movimento ocorre apesar da retração nas vendas do comércio varejista como um todo registrada este ano e da perspectiva de que esse quadro persista em 2016.

"Nossa visão é de longo prazo e já passamos por várias crises no Brasil", afirma o diretor presidente da divisão imobiliária, Fernando Lunardini. Ele conta que a companhia já identificou 40 pontos de venda, entre as lojas do hipermercado Carrefour e do Atacadão, a bandeira do grupo no atacarejo, onde pretende desenvolver projetos imobiliários nos próximos dez anos. A intenção é aproveitar o legado dessas lojas no fluxo de clientes e rentabilizar comercialmente o espaço que possui. "Somos donos desses ativos."

Dentro dessa estratégia, a empresa tem em andamento três projetos de shopping. No fim desta semana, por exemplo, será lançado o shopping Jardim Pamplona. O empreendimento, que vai ocupar 20 mil m², onde há uma das lojas de hipermercado mais rentáveis do grupo, começa a funcionar no último trimestre de 2016.

Localizado no coração da cidade de São Paulo, entre a rua Pamplona e a Avenida 9 de Julho, por onde circulam por dia mais de 135 mil pessoas, o shopping será vertical. Os quatro pavimentos abrigarão 60 lojas, das quais a primeira flagship do hipermercado Carrefour no País. A loja terá uma oferta de itens alimentícios maior e mais diferenciada do que um hipermercado comum, mas com preços mais atraentes, garante o grupo.

Alegando política do grupo, Lunardini não revela as cifras investidas no projeto nem o preço do metro quadrado pedido pelo espaço no shopping. "Mas por ser um empreendimento vertical e um retrofit (aproveitamento da estrutura existente), o desembolso será maior comparado com o gasto de erguer um shopping do zero." O restaurante Outback, a academia Bio Ritmo e a rede Tok&Stok têm carta de intenção para abrir lojas no shopping Pamplona. Os outros dois projetos de shopping em andamento são o Cambuci e o da Marginal Pinheiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.