Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Carro-tatu encolhe para facilitar estacionamento

Carro desenvolvido na Coreia fica com a metade do comprimento quando está parado para facilitar a vida do motorista na hora de encontrar uma vaga para estacionar

Pedro Sibahi, especial para o Estadão,

28 de outubro de 2013 | 20h20

SÃO PAULO - Uma solução criativa para facilitar o estacionamento nas grandes cidades foi desenvolvida na Coreia  do Sul: um carro que dobra ao meio como se fosse um tatu.

O veículo é movido a energia elétrica e pode percorrer até 100 quilômetros com apenas 10 minutos de carga e atinge velocidade máxima de 60 km/h.

O projeto do carro-tatu foi desenvolvido no Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (Kaist), com o objetivo de encontrar uma solução que sirva ao mesmo tempo para combater a poluição do ar e também a falta de espaço para estacionar em grandes metrópoles.

Batizado como Amadillo-T, que significa tatu em inglês, o carro não teve seu nome escolhido apenas por questões de marketing. Segundo o instituto onde foi desenvolvido, o desing realmente foi inspirado no tatu, animal comum na América do Sul, que se enrola na própria carapaça para se proteger de predadores.

  Metragem. Quando está em uso, o carro tem 2,8 metros de comprimento. Na hora de estacionar, basta dar um clique na interface instalada em um smartphone e o veículo dobra no meio, ocupando quase a metade do espaço: 1,65 metros.

Com dois lugares, o Armadillo-T é 100% elétrico e possui quatro motores independentes, um em cada roda. Ele utiliza uma bateria de íons de lítio com 13.6 kWh de capacidade e ainda dispensa o necessidade de retrovisores com o uso de câmeras e telas de vídeo.

 "Espero que as pessoas que vivem em grandes cidades eventualmente troquem suas preferências por carros espaçosos movidos à combustíveis fósseis por modelos elétricos menores e mais leves", explica o pofessor In-Soo Suh, responsável pelo projeto. "O Armadillo-T poderá ser uma das alternativas que os motoristas irão escolher", completa.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Mobilidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.