Carro usado encalha nas revendas e preços despencam até 30%

A redução do IPI para os carros novos, em vigor desde o dia 12, foi mais um golpe para os usados

Cleide Silva e Paulo Justus, de O Estado de S. Paulo,

25 Dezembro 2008 | 18h11

O mercado de carros usados levou um tombo ainda maior que o de novos. Nas vendas e nos preços. Modelos que há um mês e meio eram cotados a R$ 43 mil, caso de um Corolla 2005, hoje valem R$ 30 mil no antigo reduto de veículos usados, a Rua Barão de Limeira, no centro de São Paulo. Em pouco mais de 30 dias, a desvalorização atingiu 30%.   VEJA MAIS INFORMAÇÕES NA EDIÇÃO DE SEXTA-FEIRA DE O ESTADO DE S. PAULO   Veja Também:   De olho nos sintomas da crise econômica  Dicionário da crise  Lições de 29 Como o mundo reage à crise    A redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros novos, em vigor desde o dia 12, foi mais um golpe para os usados. "Depois da medida, tivemos de cortar mais os preços", diz a gerente nacional de vendas da revenda Unidas Seminovos, Jaqueline Viccari.   Nos modelos populares, cuja alíquota de 7% foi reduzida a zero, igual porcentual foi repassado aos seminovos. Mas os seminovos já vinham de uma onda de desvalorização desde outubro, quando o mercado automobilístico brasileiro começou a sentir os efeitos da falta de crédito provocada pela crise financeira internacional.   O mestre-de-obras Geraldo Andrade de Sousa, de 55 anos, tenta vender sua Parati 2004 há dois meses. No início, pedia R$ 29 mil, R$ 3 mil abaixo da tabela. Este mês, baixou para R$ 27 mil.   Na sexta-feira, no feirão de seminovos da Unidas, realizado em área ao lado do Playcenter, o carro foi cotado em R$ 20 mil. Sousa quer trocar a Parati por um utilitário, que possa ser usado no trabalho. "Há dois meses, cheguei a recusar uma oferta de R$ 26 mil", lamenta ele, que não conseguiu fazer a troca.   Concessionários afirmam que o mercado de novos, apesar da recuperação verificada nos últimos dias, continua travado por causa da falta de financiamento para os usados e das restrições das financeiras em aprovar o crédito. Grandes bancos normalmente não operam com carros usados e os pequenos e médios temem a inadimplência.   Desvalorização   Pesquisa feita pela Molicar, agência especializada em varejo automotivo, mostra que, entre 5 de novembro e 17 de dezembro, a desvalorização de carros como Celta, Mille e Fiesta, todos modelos 2007 com motor 1.0 variou de 12,3% a 19,6%. No Civic, a queda foi de 20,1%. O levantamento não leva em conta promoções de ocasião, informa Vitor Meizikas, analista da agência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.