finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Carro volta a ser vendido em 60 meses

Promoção para desovar estoque atraiu clientes que não tinham dinheiro para bancar a compra e ampliou em 20% as vendas da concessionária

Márcia De Chiara, de O Estado de S. Paulo,

09 de setembro de 2013 | 21h09

Para desovar 15 dias a mais de estoque de veículos, a concessionária Palazzo, revenda da marca General Motors, voltou a vender carro zero financiado em 60 meses, ou seja, em cinco anos. E sem exigir uma entrada.

"Já ampliamos as vendas em 20% desde que começamos a promoção, há 15 dias", afirma o diretor comercial da concessionária, Wilson Goes. Com três lojas em São Paulo, hoje a rede tem um estoque de veículos equivalente a 45 dias de vendas. O normal é 30 dias.

Atraída por essa promoção, a secretária Marcia Cristina Oliveira Campos, de 31 anos e com renda mensal de R$ 2,1 mil, conseguiu comprar o primeiro carro zero quilômetro. Na sexta-feira da semana passada, ela foi à concessionária pegar o veículo. O Celta 1.0, modelo 2014, todo equipado, com ar condicionado, direção hidráulica e vidro elétrico foi financiado em 60 meses, sem entrada e com juros de 0,99% ao mês.

Pelo carro, que a prazo vai custar R$ 41.940, a secretária terá de desembolsar R$ 699 por mês. "Essa é a parcela que cabe no meu bolso", disse a secretária. À vista, o Celta sairia por R$ 30.490. Isto é, só com juros, Marcia vai gastar R$ 11.450 a mais.

Pelo plano máximo de 42 meses, oferecido anteriormente pela concessionária, o valor da prestação do Celta subiria para cerca de R$ 1 mil. Essa cifra seria incompatível com a renda de Marcia, que é solteira e tem casa própria.

Seguro. Na opinião da secretária, o financiamento em 60 meses não é arriscado no sentido de que ocorra algum contratempo no período e isso dificulte o pagamento em dia das prestações. De toda forma, ela tratou de fazer um seguro oferecido pelo banco. Esse seguro garante a quitação das prestações por um período de seis meses, caso o titular da compra perca o emprego.

Os planos de 60 meses sem entrada foram os responsáveis pelo aumento recente da inadimplência do consumidor nas vendas financiadas de automóveis. Por isso, bancos e financeiras decidiram desativar essa modalidade de crédito. Para se prevenir contra o calote, além de encurtarem os prazos, bancos e financeiras começaram a exigir uma entrada.

O impacto das mudanças nas condições de financiamento foi a exclusão de consumidores como Marcia que, por insuficiência de renda, não conseguiam assumir planos mais curtos de compra a prazo.

Goes não vê riscos de alta de inadimplência na volta dos financiamentos com prazos longos, que têm como objetivo acelerar a desova de estoques. Agora, na sua opinião, os bancos estariam mais cuidadosos na aprovação do crédito. A promoção, segundo o diretor, está sendo sustentada pelo banco da GM e pela concessionária, que subsidia a maior parte dos juros. A promoção vai até o fim do mês.

Troca com troco. Nas últimas semanas, a concessionária também resgatou a modalidade de compra de "troca com troco". Isto é, o comprador do veículo zero pode vender o seu usado e embolsar o dinheiro ao assumir o financiamento de um carro novo. "Faz um ano que deixamos de ter essa promoção", conta Goes. Mas, como os estoques de carros seminovos diminuíram, a concessionária decidiu retomar essa prática.

Apesar do esforço do varejo para impulsionar as vendas, o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, diz que os estoques totais nas montadoras de veículos estão sendo considerados "absolutamente dentro da normalidade."/ COLABOROU FRANCISCO CARLOS DE ASSIS

Tudo o que sabemos sobre:
industria automobilistica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.