Carros brecam material de construção

Uma pesquisa da Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) em 200 lojas espalhadas pelo País revela que o preço médio de uma cesta com 40 produtos recuou 0,07% de abril para maio. Apesar disso, as vendas caíram no mesmo período.Segundo o presidente da Associação, Cláudio Elias Conz, como a renda do consumidor é uma só, na hora de escolher, ele opta pelo veículo. Este mercado é mais atraente explica Conz, porque as taxas de juros do leasing são bem menores que as do crediário tradicional. Ele garante que não é o preço que está afugentando o consumidor. Aumentos concentrados Os preços médios do material de construção subiram 0,91% nos cinco primeiros meses do ano e 6,3% em 12 meses até maio. Os aumentos concentram-se nos derivados de petróleo, energia elétrica, combustível e aço. São produtos cujos preços seguem padrões internacionais cotados em dólar.De acordo com a pesquisa da Anamaco, entre os produtos cotados em dólar está o cimento. O preço para o consumidor subiu 42,59% em 12 meses até maio e neste ano 3,59%. Outro foco de pressão é o tubo de PVC, uma resina plástica derivada do petróleo, que subiu 9,65% neste ano e 27,93% em 12 meses.A pesquisa também constatou alta no preço do aço. O produto subiu 24,24% em 12 meses até maio e 6,49% neste ano. Para julho, espera-se uma nova alta de preços, por conta de possíveis elevações nos preços das resinas, do combustível, da mão-de-obra e do dólar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.