Carta formal do BC a Palocci explica a inflação de 2003

Foi divulgada hoje a carta aberta do presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, ao ministro da Fazenda, Antonio Palocci, em que ele explica ? atendendo às formalidades legais ? por que a meta de inflação para o ano de 2003 não foi atingida. Na carta, Meirelles diz que a maior parcela da inflação de 2003 se concentrou nos primeiros meses do ano num reflexo direto da aceleração inflacionária do final de 2002. "No primeiro trimestre, a inflação atingiu 5,1%, representando 55% da inflação total de 2003 (considerando os cinco primeiros meses, a inflação foi de 6,8% - 73% da inflação do ano)", diz o texto da carta. Em 2003, a meta de inflação fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) era de 4%, com intervalo de tolerância de 2,5 pontos porcentuais para cima ou para baixo. A inflação medida pelo IPCA por sua vez fechou o ano em 9,30%. Apesar do descumprimento da meta, a carta ressalta que a inflação de 2003 ficou bastante próxima da meta ajustada de 8,5% anunciada em janeiro do ano passado. "Embora não se apliquem à meta ajustada intervalos de tolerância como os que acompanham as metas fixada pelo CMN, considerando-se as incertezas inerentes às etapas iniciais de um processo de desinflação, ainda maiores do que as incertezas que normalmente cercam os efeitos da política monetária em ambientes de estabilidade, o valor de 9,3%, que supera a meta ajustada em 0,8 ponto porcentual, encontra-se dentro de uma margem de erro perfeitamente aceitável", diz o documento divulgado pelo BC. O texto da carta complementa que a trajetória da inflação em 2003 "seguiu basicamente" a trajetória projetada na carta divulgada em janeiro do ano passado, tendo ficado um pouco maior no primeiro trimestre em função da maior intensidade da inércia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.