Cartões de crédito podem abrir novo mercado

O crescimento do mercado de cartões de crédito (veja mais informações no link abaixo) e as altas taxas cobradas no financiamento do crédito rotativo - segundo dados do Banco Central, ultrapassam 150% ao ano - estão trazendo para o Brasil modalidades de serviços utilizadas em outros mercados, principalmente nos EUA. Trata-se da transferência de saldos pendentes de outros cartões. Pode ser entendido como um mercado secundário de cartões de crédito em que uma empresa compra os débitos de outra empresa administradora.Uma das empresas nesse ramo é a American Express, cujo serviço, denominado Balance Transfer, permite a transferência de saldos negativos de outros cartões e tem como peça-chave de promoção a divulgação de que pratica taxas reduzidas nessas transferências. A Amex propõe essa transferência a uma taxa de 5,95% ao mês, "uma das menores do mercado", segundo a empresa. A transferência de associados de outras bandeiras pode ser feita até por telefone. Basta ligar e solicitar a transferência do saldo para o Cartão Azul, quando será iniciado o processo de aprovação. Uma das condições básicas é estar em dia com a fatura do outro cartão e realizar o pagamento mínimo exigido por ele. Ao fazer a transferência, a American Express efetua o pagamento do valor transferido à administradora do outro cartão e esse valor será demonstrado no próximo extrato de conta do American Express Credit.InadimplênciaO setor considera que a inadimplência, em torno de 2%, "não é apavorante", mas é alta para o sistema e para o tipo de serviço. Essa inadimplência é apontada como um dos motivos de as taxas cobradas para o crédito rotativo não serem menores. Nos mercados da Europa e dos EUA, segundo Ricardo Gribel, presidente da Visa, "é possível ampliar prazos para evitar inadimplência, mas no Brasil ainda não, por questões que estão arraigadas no nosso mercado, com multas e taxas de juro altas".

Agencia Estado,

26 de dezembro de 2000 | 16h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.