Cartões de supermercados podem trazer propaganda enganosa

Virou febre entre os super e hipermercados oferecer cartões para seus clientes prometendo diversas vantagens, como pagamento de compras em 40 dias, sem juros e sem custos para o consumidor. Apuração da PRO TESTE revela, contudo, que a realidade é diferente. A empresa testou esses cartões de crédito de marca própria (private label) em 21 mercados de todo o País. Na maioria dos casos, a propaganda de cartão com custo zero, é enganosa.Apenas o G. Barbosa e o grupo Wal-Mart não cobram nada pelo uso do cartão. Todos os outros cobram uma tarifa de manutenção cada vez que o consumidor paga a fatura, que varia de 1,99 (grupos Pão de Açúcar, Carrefour e Zaffari) a 3,50 reais (Rede Economia e Sonda). Fazendo compras todos os meses, o custo anual do cartão da Rede Economia e do Sonda é de R$ 42 - ou seja, o equivalente a uma anuidade de cartão de crédito.CuidadosPara fidelizar o consumidor, os cartões de supermercado dizem oferecer vantagens para quem os possuir, como descontos para clientes com cartão. Entretanto, mesmo que aparentemente um supermercado ofereça muitos benefícios a quem possuir seu cartão, é preciso cautela.Quando o consumidor se fideliza a uma rede de supermercados, seja por preferência, localização, ou pelo fato de ter o cartão e achar que ele dá bons descontos, ele acaba não pesquisando preços e podendo pagar mais caro. O desconto dado pode não ser tão bom como seria se o produto fosse comprado em outros locais. Os cartões analisados foram: Carrefour (Carrefour e Champion); Companhia Brasileira de Distribuição (CompreBem, Extra, Pão de Açúcar e Sendas); Sonae (Big, Mercadorama e Nacional); Wal-Mart Brasil (Wal-Mart Supercenter e Bompreço) e Zaffari (Bourbon e Zaffari). Além das redes Condor, Econ Supermercados, G. Barbosa, Guanabara, Prezunic, Rede Economia, Sonda e Super Muffato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.