Cartões são usados em metade dos pagamentos

A representatividade desses meios, que na última edição da pesquisa da Abecs era de 58%, caiu para metade dos pagamentos

Aline Bronzati, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2013 | 02h17

Os cartões de crédito, débito e de loja, os chamados private label, aumentaram sua presença nos meios de pagamentos utilizados pelos brasileiros. É o que revela pesquisa feita pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) e do Datafolha. Pela primeira vez, os plásticos conseguiram alcançar participação nos gastos mensais de brasileiros de 50% ante fatia de 42% registrada em 2011.

Com o avanço dos cartões, dinheiro e cheque perderam espaço. A representatividade desses meios, que na última edição da pesquisa era de 58%, caiu para metade dos pagamentos. Segundo o estudo, a participação do dinheiro foi a que mais encolheu. Passou de 43% a 37%. Na outra ponta, o cartão de débito galgou o maior crescimento no período avaliado, avançando sua fatia de 19% em 2011 para 23% na pesquisa deste ano.

"Os dados comprovam o movimento de substituição de meios de pagamento vivido atualmente no Brasil", avalia a Abecs, em nota ao Broadcast.

Este ano, a indústria de cartões deve crescer 16,9%, totalizando faturamento de R$ 847 bilhões em relação a 2012, conforme projeções da Abecs. Os plásticos de débito devem crescer 19,3% em 2013, para R$ 292 bilhões. Já os cartões de crédito devem avançar 15,7%, com faturamento de R$ 555 bilhões. As projeções da Abecs para 2013 não consideram as transações feitas com cartões private Label (de lojas) e combinam as bandeiras mais tradicionais do mercado.

A pesquisa completa, que traz um conjunto de informações sobre o comportamento e a satisfação do consumidor e do comércio em relação aos meios de pagamento, será divulgada durante a realização do 8.º Congresso de Meios Eletrônicos de Pagamento CMEP), que acontece entre hoje e amanhã no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.