Carvalho defende terceirização que ‘supere conflitos’

O ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, defendeu a construção de um texto de consenso no Congresso sobre a terceirização do trabalho "que supere os conflitos" entre as partes. Para o ministro, o texto sobre terceirização da mão de obra tem de trazer "um clima de paz e compromisso entre setor patronal e classe trabalhadora". O comentário foi feito durante o seminário internacional "O Trabalho e a Competitividade no Brasil e no Mundo", que ocorre nesta terça-feira na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília.

TÂNIA MONTEIRO, Agencia Estado

20 de agosto de 2013 | 13h42

Gilberto Carvalho lembrou das críticas dirigidas à CLT quando foi criada, há 70 anos. Em seguida, comentou que hoje em dia um terço da mão de obra do País ainda aspira trabalhar com carteira assinada. "Esta é uma das contradições do País, por causa da grande quantidade de trabalho informal que ainda existe e atinge um terço da nossa mão de obra", declarou o ministro.

O ministro citou ter integrado uma geração que contestou a CLT por muito tempo, por considerá-la um "resquício da ditadura Vargas". Mas hoje, prosseguiu, é preciso reconhecer que "a CLT foi e é um marco de avanço" e a prova disso é que todos querem estar abrangidos pela CLT. "Esta é uma das contradições do País, por causa da grande quantidade de trabalho informal que ainda existe", acrescentou.

Segundo Carvalho, houve um grande avanço nas discussões entre capital e trabalho. Mas ele ressaltou que "é importante discutir competitividade". Para o ministro, "a competitividade não pode ser só econômica", mas também precisa existir para ajudar a "superar abusos". E emendou: "é preciso vencer competitividade não só econômica, mas também social".

Tudo o que sabemos sobre:
Gilberto CarvalhoCNI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.