Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Carvalho deixará Cade só em fevereiro para assumir SDE

Em sua primeira entrevista após a confirmação de que será o Secretário de Direito Econômico do Ministério da Justiça, Vinícius Carvalho - que hoje é um dos membros do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) - disse que permanecerá no órgão antitruste até fevereiro. Este foi um acerto que ele fez com o novo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, por conta do reduzido quórum existente atualmente na instituição.

CÉLIA FROUFE, Agencia Estado

30 de dezembro de 2010 | 20h12

Com a saída, em novembro, do presidente Arthur Badin e do conselheiro César Mattos, o órgão conta agora com apenas cinco conselheiros no total, o número mínimo permitido. Assim, se Carvalho se afastasse no início do governo Dilma, mais nenhum processo poderia ser julgado pelo Cade.

A opção por esperar até fevereiro é por conta do início do trabalho do Legislativo federal. Os nomes indicados para o Cade precisam ser aprovados pelo Congresso Nacional e três vagas estarão em aberto logo no início do ano. Fernando Furlan, que assume a presidência do órgão interinamente, tem se fortalecido nos últimos meses e pode permanecer no cargo no próximo governo.

Vinícius Carvalho ficará à frente da SDE em um momento de transformações. Até então, a ideia era a de que, com a aprovação do SuperCade pelo Congresso, a secretaria tivesse seus poderes reduzidos ou mesmo se transformasse em um órgão voltado principalmente ao consumidor.

O conselheiro foi um dos membros do Cade mais atuantes na aprovação do projeto pelo Senado. Pelo documento que está nas mãos de deputados e senadores, parte da equipe da SDE migraria para o Cade. Resta agora saber que "cara" o novo ministro vai querer dar a essa secretaria.

Um dos processos mais importantes do conselho este ano, que foi a aprovação da compra da Brasil Telecom pela Oi, passou pelas mãos de Carvalho. Ele também é o relator da fusão entre Casas Bahia e Pão de Açúcar, operação que ainda está sob avaliação da Secretaria de Acompanhamento Econômico (Seae) do Ministério da Fazenda. Dificilmente o negócio será avaliado pelo Cade antes de o conselheiro tomar posse na SDE. Com isso, o caso deve ser distribuído para outro membro do colegiado.

Tudo o que sabemos sobre:
transiçãoCadeSDEVinícius Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.