Carvalho pede a Congresso manter veto a multa do FGTS

O ministro-chefe da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho, fez um apelo ao Congresso para que não derrube o veto feito pela presidente Dilma Rousseff para manter a multa de 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para as empresas que demitirem, justificando que acabar com ela prejudicará a população e não o governo, já que, neste caso, irá tirar recursos do programa Minha casa, Minha Vida.

TÂNIA MONTEIRO, Agencia Estado

17 de agosto de 2013 | 13h53

"Apelo para o Congresso para que tenha bom senso e não olhe a disputa ou a pressão de eventuais financiadores de campanha, mas que olhe a pressão do povo que precisa de mais casa, de ampliar o programa Minha Casa Minha Vida, que precisa de ampliar colchão de apoio social", disse o ministro.

"O que é mais importante neste momento, o compromisso com quem financiou campanha ou com o povo?", emendou o ministro, comparando o fim desta multa ao fim da CPMF que, em sua opinião, "prejudicou a saúde, não reduziu um tostão do preço das mercadorias, perdemos forma eficiente das fiscalizações das transações financeiras" Para ele, principalmente por esta última razão se queria acabar com a CPMF. As declarações de Gilberto Carvalho foram dadas durante "o sábado com a família" realizada no Palácio do Planalto e promovido pela Secretaria Geral.

Gilberto voltou a sair em defesa da reforma política, que prevê o financiamento público de campanha, no lugar do privado que existe hoje. "Temos de acabar com o financiamento privado de campanha", defendeu justificando que a forma em vigor hoje "provoca a triste dependência de parlamentares com financiadores e aí temos votações que a gente não consegue entender". E emendou: "então para libertar os parlamentares da dependência do financiamento privado é que temos de avançar na reforma política, porque ela vai dar enorme contribuição para acabar com corrupção".

Tudo o que sabemos sobre:
FGTSmultaGilberto Carvalho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.