Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Casa Branca: Obama teve 'conversa franca' com bancos

O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse a jornalistas que o presidente Barack Obama, em sua reunião com os dirigentes dos principais bancos norte-americanos hoje à tarde, discutiu uma série de questões, incluindo o plano do secretário do Tesouro, Timothy Geithner, de lidar com ativos podres, a reforma no sistema regulatório dos EUA e os bônus a executivos dos bancos.

REGINA CARDEAL, Agencia Estado

27 de março de 2009 | 17h34

O executivo-chefe do US Bancorp (USB), Richard Davis, disse, no entanto, ao deixar a Casa Branca que a questão da compensação aos executivos não foi abordada no encontro, apesar da revolta pública - e da retórica do governo - sobre os bônus pagos a executivos da seguradora American International Group (AIG). Davis afirmou que a proposta de taxar as empresas que aceitaram ajuda do governo não foi discutida.

O porta-voz da Casa Branca disse que o "presidente enfatizou que Wall Street precisa de Main Street e que Main Street precisa de Wall Street", fazendo referência ao mercado financeiro (Wall Street) e à economia real (Main Street). A reunião do presidente com os executivos de bancos foi uma "conversa franca, produtiva, boa" sobre a necessidade de se restaurar a estabilidade do sistema financeiro e ajudar a recuperação econômica, segundo a Casa Branca.

O encontro incluiu os executivos-chefe do JPMorgan Chase, Jamie Dimon; Bank of America, Ken Lewis; American Express, Ken Chenault; Freddie Mac, John Koskinen; State Street, Ronald Logue; BONY-Mellon, Robert Kelly; Northern Trust, Rick Waddell; PNC Financial Services, James Rohr; Goldman Sachs, Lloyd Blankfein; Morgan Stanley, John Mack; Citigroup, Vikram Pandit; Wells Fargo, John Stumpf; e USBancorp (USB), Richard Davis.

Os executivos dos bancos dos EUA manifestaram confiança em sua capacidade de trabalhar com a Casa Branca para superar a crise dos mercados financeiros. Ao saíram do encontro, eles disseram que apoiam a proposta do governo para tirar os ativos podres de seus balanços.

"Não conhecemos todos os detalhes, mas achamos que é um primeiro passo realmente encorajador", disse Robert Kelly, executivo-chefe do Bank of New York Mellon. "Precisamos ouvir os detalhes; acho que este plano atrairá muito interesse", acrescentou. O executivo-chefe da agência hipotecária Freddie Mac, John Koskinen, também afirmou que os bancos manifestaram apoio ao plano.

Montadoras

O porta-voz da Casa Branca indicou que o governo do presidente Barack Obama fará um anúncio na segunda-feira sobre os próximos passos para lidar com as montadoras. Ele disse que a força-tarefa do setor se reuniu hoje e que o anúncio de Obama na segunda-feira será sobre "a necessidade de uma indústria automobilística americana viável" que possa competir efetivamente em tempos econômicos bons e ruins. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
crisebancosObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.