Casa Branca vê 'sinais encorajadores' na situação da GM

A Casa Branca observou que há "sinais encorajadores" no processo de reestruturação da General Motors para torná-la uma companhia viável, mas não quis especular sobre o que os próximos dias guardam para a companhia. "O presidente Barack Obama está satisfeito, independente do que acontecer até o fim do prazo", disse Robert Gibbs, porta-voz da Casa Branca. "O presidente obviamente vai observar o que acontecer nos próximos dias e terá alguma coisa para dizer sobre isso na próxima semana", acrescentou.

DANIELLE CHAVES, Agencia Estado

29 de maio de 2009 | 17h34

A GM, que provavelmente pedirá concordata na segunda-feira, removeu um grande obstáculo hoje quando o sindicato United Auto Workers (UAW) ratificou um acordo trabalhista. O processo deverá dar ao governo uma fatia de 72,5% na nova empresa, que em troca receberá outros US$ 50 bilhões em empréstimos federais.

Gibbs disse que a Chrysler, que pode emergir da concordata em breve, é um bom exemplo para a GM. O porta-voz também reiterou as garantias do governo de que o presidente Obama não quer controlar ou administrar empresas privadas.

Brasil

A GM do Brasil vai promover na terça-feira, dia 2, entrevista coletiva à imprensa para comentar o "estado dos negócios" da empresa no País. O presidente da montadora para o Brasil e Operações Mercosul, Jaime Ardila, concederá entrevista aos jornalistas. Com informações da agência Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
montadorasGMObama

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.