Casa própria pode ter juros maiores

O governo estuda aumentar a taxa de juros cobrada nos empréstimos concedidos com os recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para conseguir pagar a correção dos planos econômicos de 1989 e 1990 aos correntistas do FGTS. A medida aumentaria os juros de financiamento da casa própria. Nas primeiras discussões no governo houve quem sugerisse o aumento da contribuição ao FGTS. Essa proposta, entretanto, é considerada pouco viável, uma vez que vai contra a tese defendida pelo próprio governo de redução dos encargos trabalhistas. Outra forma de arrecadar recursos para o FGTS é reduzir o volume de empréstimos, opção também pouco viável no longo prazo. O governo já apresentou essa proposta ao Conselho Curador do FGTS, que em março vai fazer uma segunda revisão do Orçamento desse ano. Se o governo decidir por aumentar a taxa de juros cobrada nos empréstimos do FGTS, os financiamentos para saneamento e para habitação de baixa renda terão custos aumentados. O porcentual de aumento nos juros vai depender do prazo que o governo negociar para o pagamento dos ganhos com planos econômicos. Quanto mais longo for o período, menor será o volume de recursos que precisará ser gerado a cada ano, pois haverá mais tempo para acumular os recursos. A equipe dos ministérios do Trabalho e da Fazenda, que estão estudando as formas de pagamento da correção do FGTS, já decidiu que o pagamento da correção será feito primeiro a desempregados e aposentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.