Casal adapta Kombi e passa três anos viajando pelo País

Kombi, batizada de ‘Alice’, foi modificada e tem até sanitário químico; casal de fotógrafos viajou o Brasil com oficinas de leitura e fotografia

Giovana Schluter, de O Estado de S. Paulo,

18 de agosto de 2012 | 21h06

 

Trocar residência e emprego fixos por uma aventura é uma ideia que já ocorreu a muita gente. Mas, para Inês Calixto e Franco Hoff, essa empreitada começou a deixar de ser mera fantasia no fim de 2009, quando o casal de fotógrafos decidiu se organizar para uma jornada de três anos pelo interior do País, concluída no último mês de maio. "Sabe aquele sonho que você tem, de largar tudo e ir ver como é a vida fora da realidade cotidiana?", diz Inês.

O propósito central da viagem de Inês e Franco era levar oficinas de leitura e fotografia, além de sessões de cinema, aos sertões do Brasil. Tudo gratuito. Em contrapartida, o casal recolheu depoimentos e histórias contados pelos habitantes das comunidades visitadas.

A eleita para acompanhá-los foi uma Kombi batizada de Alice, em homenagem à protagonista de Alice no País das Maravilhas. Sendo um automóvel antigo, Alice precisou de reparos, além das adaptações necessárias. A perua recebeu filme escuro nas janelas traseiras, ar-condicionado, TV, um baú coberto por uma cama e um armário com pia e pequena geladeira que fazem as vezes de cozinha. Para emergências, Alice tem também um sanitário químico, que costumava ser necessário nas passagens por cidades maiores, onde há menos espaço.

Segundo Inês, o modelo foi escolhido por ser resistente e caber no orçamento, além de ser "um carro que todo mundo reconhece".

Com o material, eles produziram três livros infanto-juvenis, que vêm numa caixa em formato de Kombi; um livro de fotos em preto e branco, (Brasil de dentro, a vida que poucos veem); e o site historiasdealice.com.br, que traz o diário de bordo de Alice.

As fotos de Inês e Franco estão na Ímã Foto Galeria, em exposição que termina amanhã, e em estações de metrô na capital. Neste mês, é possível vê-las no metrô Clínicas. Até dezembro, a exposição percorrerá mais cinco estações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.