Casas Bahia espera faturar R$ 80 mi em 30 dias com superloja

A rede de lojas Casas Bahia vai gastar quase três vezes mais do que no ano passado para montar uma superloja no Anhembi este ano. Os investimentos totais chegaram a R$ 8 milhões, frente aos R$ 3 milhões de 2003, na esperança de gerar uma receita também maior. A empresa espera faturar R$ 80 milhões nos 30 dias de funcionamento da loja, ante R$ 30 milhões do ano passado. O valor supera em 50% a venda por metro quadrado de uma loja tradicional, que chegou a R$ 1 mil em novembro. No mês, a rede toda registrou um movimento de R$ 650 milhões.Metade dos investimentos está sendo cotizada entre os fornecedores. A loja conta com 150 expositores, que devem comercializar perto de 8 mil itens. Segundo o diretor executivo da rede varejista, Michel Klein, já no começo do ano algumas indústrias manifestaram interesse em reservar um espaço, em razão do desempenho do ano passado. "Algumas pediram o dobro ou o triplo do espaço", disse.A exemplo do ano passado, alguns tipos de produtos que não são encontrados habitualmente nas lojas da rede estarão no Anhembi e podem ser incorporados ao mix posteriormente, como aconteceu em 2003 com os televisores de plasma, agora encontrados em algumas lojas.Na edição deste ano, a ação vai tomar todo o espaço do pavilhão, o que significa 52 mil metros quadrados só de área de vendas. Foram contratados 1.200 funcionários temporários. Klein acredita que, em razão da introdução de produtos com os quais a Casas Bahia tradicionalmente não trabalha, cerca de 50% das vendas devem ser pagas com cartão de crédito, mostrando que o evento pode atrair um público de maior poder aquisitivo. As operações em parceria com o Bradesco ainda não ocorrerão este ano, afirmou Klein.Em novembro, a Casas Bahia registrou vendas 20% maiores em relação ao mesmo mês do ano passado. Para o Natal, a expectativa é elevar em quase 30% o faturamento frente a 2003, o que significará R$ 1 bilhão. A estimativa de vendas para 2004 é de R$ 8 bilhões, 30% mais que no ano anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.