Casas Bahia prentende ter 500 lojas em cinco anos

A Casas Bahia, hoje com 340 lojas, pretende inaugurar em cinco anos a loja de número 500 e ampliar na mesma velocidade o faturamento; que foi de R$ 4,2 bilhões no ano passado, deverá chegar a R$ 5,5 bilhões este ano e a R$ 7 bilhões em 2004. Essas projeções fluíram com firmeza na voz do fundador do grupo líder do varejo brasileiro, Samuel Klein, de 80 anos.Nesta terça-feira, Klein lança no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, o livro Samuel Klein e Casas Bahia - Uma Trajetória de Sucesso, em que fala do passado, ?para que sirva de exemplo para outros empreendedores?. Mas em almoço que antecedeu o lançamento, esse judeu polonês, há 51 anos radicado no Brasil, optou por falar mais do futuro.?Neste momento, por exemplo, estamos negociando a compra de uma rede de varejo no Rio Grande do Sul, que tem cerca de 50 lojas?, disse e garantiu que não é a Colombo porque esta só faz negócio mantendo-se sócia e ?quem tem sócio tem patrão?. E completou com voz firme: ?Comigo é tudo ou nada, tem de ser 100%. Estou analisando duas redes, mas, por enquanto, não vou dizer o nome.? Só este ano, disse Klein, a Casas Bahia vai inaugurar mais 7 lojas. Outras 30 virão no próximo ano, fora as que poderão vir por meio de aquisição. Para o próximo mês, Klein projeta faturamento de R$ 1 bilhão ante média mensal de R$ 400 milhões. Só uma megaloja que a Casas Bahia ocupará no próximo mês no Parque de Exposições do Anhembi deverá responder por 10% do faturamento de dezembro. Essa loja dividirá o espaço do Anhembi com a Feira da Natividade, da Arquidiocese de São Paulo. A expectativa do empresário é que 40 mil pessoas circulem por dia pela loja. ?O dinheiro do 13.º salário faz ampliar as compras do nosso público?, reconhece o homem que se orgulha de ter como foco as classes C, D e E. E elogia o presidente Lula por também ter essa visão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.