Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Caso do Fox foi levado a Lula em junho de 2006

O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, sabia do problema envolvendo o modelo Fox, da Volkswagen, desde julho de 2006. A entidade investigava o caso a pedido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que naquele ano recebeu carta do químico Gustavo Funada, provavelmente a primeira pessoa a ter parte do dedo decepado no sistema do banco traseiro, usado para ampliar o espaço do porta-malas. Na semana passada, com a publicidade que o caso passou a ter, o DPDC abriu investigação contra a Volkswagen por suspeita de descumprimento do Código de Defesa do Consumidor, que determina a realização de recall (convocação dos proprietários) quando há defeito que põe o consumidor em risco. A montadora tem até sexta-feira para apresentar defesa.O DPDC não pode tratar de casos individuais, mas continuou acompanhando o processo, sem no entanto dar publicidade ao problema. ?Não podíamos adotar medidas em cima de indícios?, diz a coordenadora-geral de assuntos jurídicos do DPDC, Maria Beatriz Corrêa Salles. ?A definição sobre se é um caso individual ou de risco coletivo não é simples, e qualquer atitude que tomássemos teria conseqüências.? Atualmente, há relatos de oito casos de pessoas que tiveram parte dos dedos decepados e pelo menos outras 14 que tiveram ferimentos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

CLEIDE SILVA, Agencia Estado

16 de fevereiro de 2008 | 08h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.