carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Caso Petrobras tem provas apagadas

O primeiro relatório parcial da perícia técnica da Polícia Federal sobre o contêiner de onde teriam sido furtados segredos estratégicos da Petrobras, enviado ontem ao Instituto Nacional de Criminalística (INC), indica que o local do crime foi severamente violado. O atraso no início das investigações e o manuseio do contêiner por leigos depois do roubo apagaram provas e tornaram imprestáveis os vestígios que restaram.O furto foi notado em 31 de janeiro, mas só começou a ser investigado vários dias depois, e a cena do crime ficou alterada. Não se sabe sequer, com segurança, se o equipamento roubado - quatro notebooks, dois discos rígidos e dois pentes de memória, que continham informações estratégicas da estatal - tinha sido de fato embarcados no contêiner da empresa responsável pelo transporte, a Halliburton. A carga saiu do Porto de Santos no dia 18 de janeiro.No caso de o equipamento não ter sido embarcado, o suposto arrombamento do cadeado do contêiner e violação do seu conteúdo teriam sido uma farsa para despistar o sumiço do material. O governo trabalha com a hipótese de que a Petrobras tenha sido alvo de espionagem industrial, a serviço de interesses nacionais ou estrangeiros, ou ambos. Mas a PF não descarta a possibilidade de tratar-se de crime banal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

19 de fevereiro de 2008 | 07h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.