Catalunha é a 3ª região da Espanha a pedir resgate

Região tem dívida de € 3,4 bi e é a mais endividada do país; Valência e Múrcia já pediram ajuda

Reuters

24 de julho de 2012 | 11h11

Texto atualizado às 15h15

MADRI - A região espanhola da Catalunha, responsável por um quinto da produção econômica do país, confirmou nesta terça-feira que deve pedir ajuda ao fundo criado pela administração central. O porta-voz do governo catalão, Francesc Homs, disse que a região pretende recorrer "a todo tipo de linhas de financiamento que facilitem nossa tesouraria". "É o que nós estamos fazendo e é nossa obrigação", comentou ele, segundo divulgado pelo jornal El País.

A declaração parece encerrar uma confusão causada mais cedo. A imprensa espanhola já tinha divulgado que a Catalunha iria pedir ajuda ao governo central da Espanha, mas a informação foi negada por um outro porta-voz do governo, que atribuiu a notícia a uma má interpretação de uma entrevista concedida pelo chefe de Finanças da região, Andreu Mas-Colell.

A Catalunha, a região mais endividada da Espanha, tem pagamentos de dívida de 3,4 bilhões de euros no segundo semestre, incluindo 2,76 bilhões de euros em títulos vencendo no final de novembro.

Homs não revelou, contudo, o tamanho dá ajuda que será solicitada pelo governo catalão e insistiu que o pedido de auxílio ao Fundo de Liquidez Autônoma não é "um resgate". Segundo ele, a região não terá de adotar novas medidas para conter seu déficit orçamentário para poder acessar essa linha. "Alguns dias atrás nós aprovamos um plano de ajuste e há muitos meses que nossas contas estão sendo acompanhadas pelo governo central. Não há nenhuma nova condição", declarou.

O porta-voz tentou evitar a palavra resgate de todas as formas, usando outros sinônimos, mas acabou confirmando que a Catalunha vai mesmo pedir ajuda ao governo central. "Estamos recorrendo às linhas de crédito que a administração central oferece. Considerar esse tipo de acesso às linhas de liquidez como um resgate é um erro, porque a ideia de resgate ou intervenção tem uma conotação catastrofista", disse.

Pedidos de ajuda em cascata

Na última sexta-feira, Valência tornou-se a primeira das 17 regiões autônomas da Espanha a pedir ajudaO montante foi de aproximadamente 3,5 bilhões de euros, proveniente de um fundo do governo de 18 bilhões de euros, estabelecido para ajudar a cobrir custos da dívida que estão vencendo este ano.

Já no último domingo, o presidente (equivalente a governador) da Múrcia, Ramón Luis Valcárcel, disse em entrevista ao jornal La Opinión que pedirá de 200 milhões de euros a 300 milhões de euros em ajuda.

Na imprensa espanhola, circulam previsões de que seis das 17 regiões administrativas autônomas da Espanha pedirão ajuda financeira ao governo central do país.

(Com informações da Dow Jones)

Tudo o que sabemos sobre:
CatalunhaEspanhazona do eurocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.