Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Cautela ao fazer seguro de carro por perfil

Os consumidores devem ter cautela ao contratar um seguro de automóvel por perfil, no qual as seguradoras dão descontos de acordo com o perfil do consumidor. A empresa aplica um questionário que inclui informações sobre quem costuma usar o veículo, a freqüência de sua utilização, se é dirigido por uma ou mais pessoas, se é guardado em garagem, entre outras. A partir dessas informações, a seguradora avalia o risco do cliente sofrer sinistro e, assim, estipula um preço para cada cliente. Por isso, esse tipo de seguro só é vantajoso para quem tiver um perfil considerado de pouco risco. Caso contrário, o desconto será muito pequeno em relação ao seguro tradicional e haverá maior burocracia na ocorrência do sinistro, pois a empresa verificará se as restrições do contrato foram obedecidas.Para obter vantagem no seguro por perfil é fundamental não mentir ao responder o questionário. Não adianta dar informações falsas para obter um desconto maior, pois, quando ocorre o sinistro, a seguradora checa todas as informações prestadas pelo segurado. Segundo o coordenador de serviços ao associado do Instituto de Defesa do Consumidor (Idec), Marcos Diegues, caso seja compravada má fé do segurado, em caso de sinistro ele pode perder o direito à indenização. No entanto, cabe à seguradora comprovar que o cliente agiu realmente de má fé.Cláudia Silberman afirma que o seguro por perfil não é um tipo diferente de seguro, mas apenas uma avaliação diferenciada de risco para determinar o preço do seguro. "Através da análise do perfil do cliente, as seguradoras buscam um preço justo para o seguro. Tecnicamente é perfeito". Cuidado com perguntas subjetivasO consumidor deve ficar atento com perguntas subjetivas, que dêem margem para uma interpretação dúbia e possam justificar o não pagamento da indenização por parte da seguradora, alerta a assistente de direção do Procon-SP, Dinah Barreto. "As perguntas devem ser bastante objetivas, específicas", avisa Dinah.Segundo Cláudia Silberman, chefe da divisão de capitalização e seguro de bens da Superintendência de Seguros Privados (Susep), perguntas ou critérios subjetivos não podem negar indenização. De acordo com ela, o consumidor deve negar-se a responder perguntas subjetivas. Os consumidores que não tiverem atentado a esse detalhe podem, se forem prejudicados, solicitar a indenização da seguradora na Justiça. Ela cita como exemplo: "Se a seguradora pergunta para um casal qual dos dois utiliza o carro a maior parte do tempo e eles respondem que é o marido, mas no momento do sinistro quem dirige o carro é a mulher, a seguradora não pode negar-se a conceder a indenização. Esse é um tipo de pergunta subjetiva", diz.

Agencia Estado,

13 de junho de 2001 | 14h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.