Cautela com Fed derruba as bolsas da Ásia

Investidores querem saber por quanto tempo os EUA manterão compras mensais de US$ 85 bi em bônus

19 de junho de 2013 | 07h22

 Os mercados de ações da Ásia fecharam em baixa nesta quarta-feira, à medida em que os investidores assumiram uma posição de cautela antes do resultado da reunião do Federal Reserve, dos EUA, que pode dar mais sinais sobre o futuro da política monetária norte-americana. 

Traders disseram que a decisão do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) do Fed e a coletiva de imprensa do presidente da instituição, Ben Bernanke, mais tarde nesta quarta-feira, devem retirar parte de uma das principais fontes de incerteza que tem afetado os mercados nos últimos tempos: por quanto tempo o banco central dos EUA vai manter o programa de compras mensais de US$ 85 bilhões em bônus.

"Se os investidores obtiverem uma imagem totalmente clara de onde o FOMC está indo, a busca por barganhas aumentará", disse o estrategista Evan Lucas, da IG Markets. No entanto, "se o Fed deve surpreender o mercado com afilamento conversa, todas as apostas estão fora", disse ele.

Alguns outros analistas disseram que, mesmo se o Fed não sinalizar imediatamente a sua intenção de reduzir o tamanho do programa de flexibilização quantitativa, a preocupação de que ele acabará eventualmente diminuindo o programa ainda pode ter um impacto.

"Embora nós não esperamos que o Fed decida reduzir suas compras de ativos hoje, acho que a perspectiva de uma eventual redução gradual continuará a diminuir os fluxos de capital para ações de mercados emergentes em particular, uma vez que isso prejudica o apetite dos investidores por risco", escreveu John Higgins, da Capital Economics. 

Sob as expectativas do resultado do Fed, as bolsas de Taipé, Seul e Manila fecharam em queda. O índice Taiwan Weighted recuou 0,05%, para 8.007,39 pontos, o índice Kospi perdeu 0,7%, aos 1.888,31 pontos, e o índice PSEi cedeu 0,1%, fechando com 6.513,20 pontos. 

Já, na Austrália, as ações avançaram para o maior nível em duas semanas com preços mais fortes de commodities e um dólar australiano mais baixo, o que ajudou a impulsionar ações dos setores de materiais e de energia. O índice S&P/ASX 200 fechou em alta de 1,0%, aos 4.861,4 pontos - o nível mais alto desde 5 de junho.

As ações da China fecharam em queda nesta quarta-feira, com preocupações sobre novas medidas de aperto no mercado imobiliário e um possível excesso de oferta de ações no marcado.

O China Securities Journal disse que mais cidades chinesas, incluindo Pequim, Shenzhen e Nanjing, poderão apresentar impostos provisórios sobre imóveis no segundo semestre do ano. Em um texto separado, o jornal estatal disse que a China pode retomar ofertas públicas iniciais a partir de julho.

O índice Xangai Composto caiu 0,7%, para 2.143,45 pontos, após recuar 2,0% durante a sessão. O índice Shenzhen Composto cedeu 0,5%, aos 975,07 pontos. Em Hong Kong, o índice Hang Seng perdeu 1,1%, para 20.986,89 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.