Cautela diante dos EUA retorna e mercados na Ásia recuam

As bolsas de valores da Ásiaencerraram em queda nesta quarta-feira, recuando do maior nívelem um mês depois que investidores voltaram a demonstrar cauteladiante da divulgação esta semana de importantes dadoseconômicos dos Estados Unidos e da decisão de juros na Europa. Investidores rumaram para os seguros títulos do governojaponês, derrubando o rendimento, enquanto o petróleo avançoudurante a noite por conta da expectativa do mercado sobre dadosque devem mostrar que os estoques da commodity nos EUA caíramna semana passada. O índice MSCI que reúne os principais mercados da Ásia comexceção do Japão subia 0,03 por cento, a 477 pontos, recuandodiante do maior pico em um mês atingido mais cedo. A bolsa de TÓQUIO fechou em queda de 1,6 por cento,continuando com tendência de queda depois da divulgação dedados decepcionantes sobre investimento na segunda-feira. Os demais mercados da região registraram altas na sessãoapós rali ocorrido em Wall Street que foi alimentado pornúmeros de expansão da manufatura dos EUA em agosto, apesar denum ritmo menor que em julho. "A recuperação está quase completa. Um novo rali não éprovável uma vez que ainda há certa incerteza sobre o potencialimpacto da crise do mercado hipotecário norte-americano naeconomia global", disse Lim Chang-gue, gerente de fundos daSamsung Investment Trust Management, em Seul. A Toyota caiu 1,04 por cento depois de divulgar queda dequase 3 por cento nas vendas nos EUA em agosto, mas ainda estáno curso para superar a Ford como a segunda maior montadora dopaís este ano. Investidores compraram algumas ações do setor de tecnologiacom rumores de que a Apple deve revelar novos iPods estasemana. A bolsa de SEUL recuou 0,49 por cento, a 1.865 pontos. EmHONG KONG, o mercado avançou 0,77 por cento, atingindo recordehistórico liderado pela China Mobile. Em XANGAI, houvevalorização de 0,31 por cento. CINGAPURA registrou alta de 2,04 por cento, a 3.445 pontose em SYDNEY houve recuo de 0,49 por cento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.