Cautela global eleva dólar; mercado reage mal a IOF

Moeda norte-americana subiu para R$ 1,734 em meio a críticas ao novo anúncio do governo

Silvio Cascione, da Reuters,

19 de novembro de 2009 | 16h42

O dólar subiu 1% nesta quinta-feira, 19, acompanhando a piora no mercado internacional após um movimento de realização de lucros.

Foi também o primeiro dia após a decisão do governo de estender a cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre operações com ADRs. Embora analistas tenham minimizado o impacto direto da medida sobre a taxa de câmbio, predominaram as críticas ao novo anúncio do governo.

A moeda norte-americana subiu para R$ 1,734. No exterior, às 16h27 desta quinta, o dólar subia 0,23% em relação a uma cesta com as principais moedas, o índice Reuters-Jefferies de commodities caía 1,30%, e as bolsas em Nova York caíam mais de 1%.

"Quando tem uma realização (de lucros) lá fora, o pessoal tem a desculpa perfeita para puxar o dólar (aqui)", disse Francisco Carvalho, gerente de câmbio da corretora Liquidez.

O mercado atribuía a cautela observada em todo o mundo à incerteza sobre a retomada econômica global. Havia também, em menor grau, um pouco de precaução com a possibilidade de que outros países além do Brasil tomem medidas interpretadas como um controle de capital.

Na véspera, o governo anunciou uma taxa de 1,5% em operações com ADRs, em um complemento da cobrança anunciada há um mês na entrada de capital estrangeiro em ações e renda fixa. O objetivo da nova medida é evitar que investidores buscassem a bolsa de Nova York, e não a Bolsa de Valores de São Paulo, para negociar ações brasileiras e fugir do novo imposto.

Embora profissionais de mercado afirmem que a alta desta sessão não esteve relacionada diretamente ao novo anúncio, Carvalho lembra que ele reforçou a perspectiva de agentes de mercado de que o governo está disposto a atuar sempre que a moeda se aproximar de R$ 1,70.

"Ali no 1,710 (o mercado) já para, não dá muito para ficar vendido (com aposta na baixa do dólar). Não é à toa que diminui o volume", disse, acrescentando que é preciso haver alguma surpresa positiva para que o mercado tenha a força necessária para romper o suporte de R$ 1,700.

Win Thin, estrategista de câmbio da Brown Brothers Harriman, em Nova York, questionou o processo de tomada de decisões pelo governo, apontando para a demora de um mês em corrigir uma distorção que já era prevista pelo mercado.

"Estava muito claro que haveria uma busca pelos ADRs para evitar a tributação. Então, o governo deveria estar preparado para isso, ou então deveria responder a isso quando o IOF foi anunciado pela primeira vez."

Na sexta-feira, 20, com o feriado da Consciência Negra em São Paulo e no Rio de Janeiro, os dois principais centros financeiros do país fecham e tiram a maior parte do volume do mercado de câmbio. O mercado futuro, principal bússola para as operações à vista, também fecha.

Tudo o que sabemos sobre:
DOLARFECHAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.