Cautela predomina antes do payroll

Expectativa sobre número de cortes de empregos nos EUA em agosto limitou os negócios, mas Bolsas subiram

Claudia Violante, Alessandra Taraborelli e Taís Fuoco, O Estadao de S.Paulo

04 de setembro de 2009 | 00h00

A expectativa pela divulgação, hoje, dos dados do mercado de trabalho norte-americano de agosto foi um entrave aos negócios nos mercados, ontem. Os analistas preveem um corte de 233 mil vagas de emprego em agosto, ante fechamento de 247 mil vagas em julho. Outro motivo de cautela é o feriado de 2ª feira no Brasil (Dia da Independência) e nos EUA (Dia do Trabalho). A Bovespa seguiu o vaivém em Wall Street, mas o sinal de alta predominou no mercado paulista com ajuda das ações da Vale e de siderúrgicas. O Ibovespa subiu 0,58%, aos 55.707,17 pontos. Em Nova York, o índice Dow Jones avançou 0,69% e o Nasdaq, 0,82%. Os ganhos foram amparados pelo avanço dos papéis dos setores financeiro e industrial. Nos juros, a decisão sem surpresa do Comitê de Política Monetária, do Banco Central, de manter a taxa Selic em 8,75% ao ano, permitiu que o cenário externo ameno guiasse os ajustes nas taxas. O juro de janeiro de 2010 subiu a 8,65% e o de janeiro de 2011, a 9,75%. Os investidores esperam agora a ata do Copom, na próxima 5ª feira. O dólar caiu pelo 2º dia, a R$ 1,866 (-1,01%) no balcão, e devolveu no período metade do ganho de 4,04% das sete sessões anteriores.

FRASE

Marcio Pochmann

Presidente do Ipea, ao AE Broadcast ao Vivo

''Decisão do Copom não ajuda a resolver problema cambial e reflete dificuldade do governo na gestão de políticas fiscal e monetária ''

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.