CCF recomenda compra de Telemar

A equipe de análise de investimentos do banco CCF, formada há cerca de três meses, está recomendando a compra das ações da companhia Telemar, a despeito da intervenção branca da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que devolveu o controle da companhia para a União.O gerente de análise de investimento da instituição, Fernando Aoad, disse que as medidas da Anatel não alteram os fundamentos da empresa. Segundo ele, esse momento representa uma boa oportunidade para compra das ações, pois elas ficaram mais baratas. Pelas projeções de Aoad, as ações possuem um preço-alvo de R$ 63,00, que deve ser alcançado até o final do próximo ano. Esse valor significa oportunidade de rendimento de 50,32% em relação ao fechamento de sexta-feira, quando os papéis registraram queda de 3,68%. As ações da Telemar fazem parte de uma carteira com as principais recomendações do CCF, que conta ainda com papéis da Petrobrás, Telesp Celular, Aracruz e Companhia Siderúrgica Tubarão. Para Aoad, as ações da Telemar devem conquistar uma relevância ainda maior na Bolsa de Valores, superando as da Petrobrás, que se beneficiou com a alta do petróleo e a recente oferta de ações ordinárias - ON, com direito a voto. Ele explicou que o setor de telecomunicações é mais interessante a médio prazo, além de ser o setor que tradicionalmente lidera as atenções do mercado.ReversãoOutro fator, ressalta Aoad, é que as ações da Telemar representam o melhor investimento em telefonia fixa. Em especial, devido à expectativa de reversão no resultado negativo da Telemar Rio (Telerj) e do adiantamento do cumprimento das metas da Anatel de dezembro de 2003 para o fim de 2001. Com isso, a companhia poderá operar no mercado de telefonia de longa distância. Ele lembrou que as perspectivas de queda na taxa de juros indicam um bom momento para investimentos no mercado de capitais. Segundo ele, com essa tendência há a perspectiva de aumento no volume financeiro da Bolsa, em função da transferência de recursos da renda fixa para a renda variável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.