AFP PHOTO JOEL SAGET
AFP PHOTO JOEL SAGET

Senado adia votação que pode manter benefícios para indústria de refrigerantes

Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado adiou votação de dois decretos que podem manter isenção fiscal para indústria de refrigerantes na Zona Franca de Manaus

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

13 Junho 2018 | 20h23

Em meio à queda de braço na indústria dos refrigerantes para mudar o decreto que acaba com o incentivo fiscal para as empresas de refrigerante da Zona Franca de Manaus, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado adiou a votação de  dois decretos legislativos que sustam os efeitos da medida do governo que retira o incentivo tributário das indústrias de refrigerantes na Zona Franca de Manaus. A medida fez parte do pacote compensatório para bancar o subsídio ao diesel.

+ Agronegócio trava acordo para novas tabelas

Os integrantes da CCJ pediram vista coletiva ao relatório do senador Roberto Rocha (PSDB-MA) depois de intenso debate. Uma audiência pública foi marcada para a próxima terça-feira com a presença do ministro da Fazenda, Eduardo Guardia. O senador Eduardo Braga (MDB-AM), autor de um dos decretos mobilizou os representantes da região, mas não conseguiu a votação.

+ Indústria de bebidas pressiona Planalto a retomar incentivo na Zona Franca

+ Empresas tentam derrubar tabela do frete na Justiça

Na Câmara de Deputados, a Comissão de Finanças e Tributação também aprovou requerimento do deputado Fausto Pinato (PP-SP) para  uma audiência pública sobre  o mesmo assunto. O deputado quer barrar a aprovação dos decretos legislativos. Pinato criticou a ameaça das empresas fabricantes de concentrado em Manaus de demissão de 15 mil trabalhadores, como mostrou o Estadão/Broadcast. "Estão usando a Zona Franca como escudo", disse o deputado. "Onde estão os 15 mil empregos?", desafiou. Segundo ele, os empregos diretos na região não passam de 517 no polo de fabricação de concentrados. 

Mais conteúdo sobre:
indústria de bebida imposto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.