CCR é autorizada a comprar fatias em 3 aeroportos internacionais

Empresa poderá explorar infraestrutura aeroportuária em Quito (Equador), Costa Rica e Curaçao

Reuters,

26 de dezembro de 2011 | 21h42

A operadora de concessões rodoviárias CCR informou nesta segunda-feira que foi autorizada pelo Conselho da companhia a negociar as participações societárias detidas pelos controladores Andrade Gutierrez e Camargo Corrêa, para aquisição em sociedades de propósito específico (SPEs) destinadas à exploração de infraestrutura aeroportuária em três países, segundo fato relevante.

Segundo a empresa, a CCR, a Andrade Gutierrez e a Camargo Corrêa fecharam acordo sobre os valores de aquisição, "que, considerados individualmente ou em conjunto, são inferiores à mediana da recomendação", feita por um comitê independente formado para analisar os ativos.

As aquisições referem-se às SPEs para explorar os aeroportos de Quito (Equador), Costa Rica e Curaçao.

Os valores de aquisição que foram acordados são os seguintes: 140 milhões de dólares por parte do aeroporto internacional de Quito (Equador) e 50 milhões de dólares por parte do de San Jose (Costa Rica), cujas fatias correspondem à Andrade Gutierrez; e de 24,5 milhões de dólares por fatia do aeroporto de Curaçao, do Grupo Camargo Corrêa.

Com relação ao projeto de construção do novo aeroporto de São Paulo, a CCR afirmou que o tema será debatido "em data futura".

No fim de agosto, a CCR havia anunciado o interesse em entrar no setor de aeroportos.

A Andrade Gutierrez detém, direta e indiretamente, participações de 45,5 e de 48,75 por cento nos aeroportos internacionais do Equador e da Costa Rica, respectivamente.

A Camargo Corrêa possui 40,8 por cento no aeroporto internacional de Curaçao.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.